a carregar...

UC.PT

Destaques

Investigador da Universidade de Coimbra cria Poeta Artificial

Publication date: 20-03-2014 12:43

Imagem


Na véspera do Dia Mundial da Poesia, apresentamos o “PoeTryMe”, o primeiro “poeta artificial” português. Desenvolvido pelo investigador da Universidade de Coimbra (UC), Hugo Gonçalo Oliveira, a criatividade do PoeTryMe não tem limites e a inspiração não lhe falha, gerando poemas em menos de um minuto.

Na prática, trata-se de um sistema informático inteligente que se apoia em redes de palavras, relacionadas de acordo com os seus sentidos, e em padrões de versos, obtidos a partir da análise de poesia escrita por humanos, gerando a partir daí poemas em língua portuguesa sobre as mais diversas temáticas.

Um dos pontos-chave deste poeta sui generis é, de acordo com o também docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC), «a sua flexibilidade na criação de poesia. Tem a capacidade de compor com as mais diferentes configurações. Posso, p. ex., definir um conjunto de palavras que defina o domínio do poema, indicar o nível de surpresa, escolher a forma poética - sonetos, quadras, etc. – e decidir o sentimento (negativo ou positivo) transmitido. No final da obra, o sistema ainda pode explicar a sua escolha de palavras».

A Geração Automática de Poesia, enquanto área de conhecimento, surgiu em 2000, mas em Portugal ainda é pouco explorada. No entanto, sublinha Hugo Gonçalo Oliveira, «é uma nova forma de pensar a poesia e pode contribuir para estimular os poetas humanos, desafiando ainda mais a sua criatividade. Pode funcionar, quem sabe, como uma fonte de inspiração».

Desenvolvido ao longo dos últimos três anos, o sistema foi já adaptado para castelhano, numa colaboração com investigadores da Universidade de Madrid, estabelecida no âmbito do projeto europeu PROSECCO, que visa precisamente promover a investigação em criatividade computacional.

E porque, amanhã, dia 21 de março, se assinala o Dia Mundial da Poesia, o PoeTryMe partilha um soneto:

que a uma natural ou nativa

onde a estação da primavera

que coisa segue inspiração fera

artificial negra sem artífice

não há sinfonia sem harmonia

onde a composição da poesia

um dia natural outro postiço

um natural porto o nascidiço

com natural e puro coração

não fica chama nem inspiração

na sua harmonia apolínea

por mais poética que poesia

por mais simetria que harmonia

a linda máquina computador