This uses cookies that do not gather any personal information whatsoever. By using this website, you agree with the cookie policy.
OK, I ACCEPT
Destaque

Projeto de investigadores do iCBR-FMUC e do CHUC recebe Bolsa de Investigação APEF/Bayer na área do carcinoma hepatocelular

10 april, 2019
Projeto de investigadores do iCBR-FMUC e do CHUC recebe Bolsa de Investigação APEF/Bayer na área do carcinoma hepatocelular
Projeto de investigadores do iCBR-FMUC e do CHUC recebe Bolsa de Investigação APEF/Bayer na área do carcinoma hepatocelular
O projeto "Classificação imunomorfológica do carcinoma hepatocelular: uma necessidade imperiosa" dos investigadores do iCBR-FMUC e do CHUC Rui Caetano Oliveira, Ricardo Martins, Ana Margarida Abrantes, Ângela Jesus, Paulo Teixeira, Mário Rui Silva, José Guilherme Tralhão e Maria Augusta Cipriano foi distinguido, no último Congresso Português de Hepatologia, com a Bolsa de investigação APEF/Bayer na área do carcinoma hepatocelular, no valor de 5000€.


Um dos objetivos do projeto é fazer uma detalhada análise clínico-patológica do carcinoma hepatocelular e correlacionar os dados obtidos com a sobrevivência e sobrevida livre de doença. Por outro lado, uma vez que a aplicação de scores de estratificação de risco e prognóstico é de extrema importância para uma medicina mais personalizada e para realizar um follow-up adequado, a equipa responsável pelo projeto pretende estudar a aplicabilidade de dois sistemas diferentes de classificação immunomorfológica recorrendo a padrões de análise morfológicos e imunohistoquímicos, passíveis de aplicação na maioria dos laboratórios de Anatomia Patológica de todo o mundo, com recurso a anticorpos amplamente utilizados na rotina, e baseados em avaliações morfológicas simples e reprodutíveis.

Rui Oliveira, Assistente de Anatomia Patológica no CHUC, acredita que “será expectável estratificar de forma personalizada os doentes, particularmente os doentes submetidos a hepatectomia parcial”. O investigador afirma ainda que “este tipo de classificação poderá ser muito interessante, uma vez que poderá vir a ser realizada em biópsias e permitirá uma correta classificação imunomorfológica dos doentes, possibilitando a sua correta identificação e referenciação para tratamentos adequados”.

(CIMAGO)