a carregar...

DEEC

Início

Mestrado Integrado de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

O Departamento de Engenharia Electrotécnica integra, no caso de Engenharia Electrotécnica e de Computadores, os dois primeiros ciclos. O primeiro ciclo permite uma maior mobilidade aos estudantes sendo-lhes sempre garantido o acesso imediato ao 2º ciclo.

Condições de acesso e ingresso

De acordo com os artºs 30 e 42 do regulamento Académico da UC (RAUC nº344/2010, DR 2ªsérie-nº70-12 de Abril de 2010) as condições de  ingresso/acesso são:

  • Concurso nacional de acesso: provas de Matemática A (19) e Física e Química(07).
  • Titulares de: grau de licenciado ou equivalente legal; grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos, organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo; grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo conselho científico responsável pelo ciclo de estudos de mestrado.

Em casos devidamente justificados, podem aceder aos ciclos de estudo de mestrado os candidatos que apresentem um currículo científico e profissional relevante para a frequência deste ciclo de estudos e que, como tal, seja reconhecido pelo conselho científico responsável pelo ciclo de estudos de mestrado.

Saídas Profissionais

Os detentores do grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores têm boa receptividade no mercado de trabalho, num leque de ofertas que vai desde as grandes até às médias e pequenas empresas. As oportunidades de emprego situam-se em empresas públicas e privadas, nas áreas de produção, transporte, distribuição e gestão de energia eléctrica, automação, robótica, telecomunicações fixas e móveis, operadores de distribuição de conteúdos multimédia, sistemas electromecatrónicos, microssistemas, instrumentação, manutenção industrial, materiais, projecto e auditoria, sistemas de informação, simulação, gestão de redes, gestão de bases de dados, analista programador, projecto de software, sistemas de computadores, etc., bem como nas áreas do ensino e da investigação. 
Mercado de emprego: 

  • Empresas de consultadoria, banca, seguros, telecomunicações e unidades fabris, sector eléctrico, comercialização de equipamentos, gabinetes de projectos;
  • Actividades de concepção, desenvolvimento e exploração de sistemas de  computadores, nas vertentes de hardware e software;
  • Vocacionado para concepção e desenvolvimento de sistemas realizados com electrónica digital, baseados em tecnologia de circuitos integrados. Os conhecimentos ministrados incluem sistemas embebidos e altamente integrados para aplicações num vasto conjunto de domínios da Engenharia, da instrumentação, do processamento de sinais e do controlo, incluindo técnicas para concepção e desenvolvimento de sistemas electrónicos cujo funcionamento assenta em temporizações críticas e de alta fiabilidade, incluindo o treino em metodologias e modelos formais de projecto.

Plano de Estudos

O plano de estudos das Áreas de especialização encontra-se disponível aqui.

Perfil/ Competências

As diferentes unidades de crédito do plano de estudo de cada um dos mestrados foram desenhadas por forma a reforçar o trabalho individual, o raciocínio independente, a pesquisa de informação suplementar, a capacidade de correr riscos calculados, etc., por parte de alunos universitários.

Na sua definição foram consideradas as seguintes indicações:

  • Encorajar a avaliação baseada no trabalho individual, que incentiva e premeia a iniciativa, o método, a gestão de recursos e do esforço, premiando a iniciativa e as soluções para resolver problemas;
  • Fornecer desafios através de problemas a ser seguidos pelos alunos para aumentarem a sua competência. Explorar uma solução, a sua aplicabilidade, promover uma iniciativa, conduzir um estudo, etc;
  • Promover a apresentação e a discussão, sempre que possível, para aumentar a formação em comunicação pessoal e técnica;
  • Ensino baseado em "Casos de Estudo" explorando técnicas, cenários ou simulações;
  • Nas vertentes com maior concepção e sempre que possível, envolver empresas ou empreendedores nas actividades lectivas, fornecendo uma dimensão prática e objectiva do conhecimento.