a carregar...

DMat

Planeta Matemático 2013

Materiais para jogos

Nesta secção encontra os materiais digitais necessários para a produção dos quatro níveis do Planeta Matemático 2013:

  • Nível Pedro Nunes (1.º ciclo do ensino básico)
  • Nível Newton (2.º ciclo do ensino básico)
  • Nível Pitágoras (3.º ciclo do ensino básico)
  • Nível Mendel (ensino secundário)

Nível Pedro Nunes (1.º ciclo do ensino básico)

Sobre Pedro Nunes

Pedro Nunes foi um dos matemáticos mais reputados do seu tempo, a nível nacional e internacional. Nasceu em Alcácer do Sal em 1502 e as suas contribuicões matemáticas para cartografia e navegação são bem conhecidas. Mas foi, talvez, a sua obra "De crepusculis", de natureza astronómica, que lhe mereceu os mais dignos elogios. "De crepusculis" foi escrita com o objectivo de resolver um importante problema da época relacionado com a duração do crepúsculo num qualquer local da Terra. Esta obra, onde Pedro Nunes apresenta o Nónio, tera recebido o elogio do grande astrónomo Tycho Brahe. Pedro Nunes morre, em Coimbra, em 1579 deixando um espólio e uma herança científica de enorme relevo. Pedro Nunes tem hoje o seu nome, literalmente, escrito nos céus: ao asteroide 5313, descoberto em Setembro de 1982 por Henri Debehogne em La Silla (Chile), foi dado o nome de "Nunes" em honra ao grande matemático. O asteróide "Nunes" está situado na cintura entre Marte e Júpiter e tem um período orbital de 3.3 anos.

 

João Manuel de Morais Barros Fernandes

Professor do Departamento de Matemática

Universidade de Coimbra

Materiais:

O design e ilustração dos materiais aqui expostos é da autoria de Victor Hugo Fernandes.


    Nível Newton (2.º ciclo do ensino básico)

    Sobre Newton

    “Se vi mais longe foi porque subi aos ombros de gigantes”, afirmou Newton, um dos  maiores Físicos de todos os tempos, referindo-se à importância do trabalho prévio de ”gigantes” como Galileu, Kepler e Copérnico, que abriram caminho para a teoria de Newton sobre gravitação. Mas se devemos a Galileu a descoberta de que "O livro da Natureza está escrito em linguagem matemática", é certo que é a Newton que devemos a primeira teoria física, devidamente descrita em linguagem matemática e formando um corpo razoavelmente completo: a "Mecânica de Newton", que explicava com precisão o movimento dos astros sujeitos à interacção gravitacional, publicada na sua obra seminal "Princípios Matemáticos da Filosofia Natural".

    Newton sempre reconheceu a importância da matemática para a "nova ciência", a "filosofia natural" como era então designada a física. E quando não havia ainda a matemática necessária para avançar nas suas descobertas, Newton criou ele próprio as ferramentas matemáticas. Assim, foi no âmbito dos seus trabalhos sobre Gravitação que Newton inventa, em simultâneo com o matemático Leibniz, o cálculo diferencial e integral, conhecido na altura por cálculo dos "fluxões". Esta “invenção” seria suficiente para dar a Newton um lugar de relevo na história da matemática; mas muitas outras descobertas na matemática se devem a Newton - incluindo novos métodos algébricos e numéricos para resolver equações não lineares, fórmulas de interpolação e integração "práticas" que ainda hoje são usadas, numa altura em que não havia computadores.

     

    José António de Carvalho Paixão

    Professor do Departamento de Física

    Universidade de Coimbra

    Materiais:

    O design e ilustração dos materiais aqui expostos é da autoria de Victor Hugo Fernandes.


    Nível Pitágoras (3.º ciclo do ensino básico)

    Sobre Pitágoras de Samos

    Pitágoras de Samos foi um matemático, filósofo e místico grego um, dos primeiros matemáticos gregos conhecidos (depois de Tales de Mileto). Nascido na ilha de Samos (nas costas da actual Turquia), por volta do ano 572 a. C., a sua vida está envolta em diversas lendas. Na sua juventude terá viajado pelo Egipto e pela Babilónia (actual Iraque), chegando, segundo algumas fontes, à Índia, absorvendo os conhecimentos dos povos que visitava. Possivelmente por razões políticas, abandona Samos e instala-se no sul de Itália (então colónia grega), na cidade de Crotona, onde funda uma associação mista de escola filosófica e científica.

     

    António José Esteves Leal Duarte

    Professor do Departamento de Matemática

    Universidade de Coimbra

    Materiais:

    O design e ilustração dos materiais aqui expostos é da autoria de Victor Hugo Fernandes.


    Nível Mendel (ensino secundário)

    Sobre Gregor Mendel

    Mendel (1822-1884) nasceu numa província do então Império Austro-Húngaro, como filho  único de uma família de camponeses. Cedo se revelou excelente aluno tendo, por isso, os pais apoiado que continuasse os estudos apesar das enormes dificuldades financeiras. Essas dificuldades acabariam por determinar a sua entrada no mosteiro da Ordem de Santo Agostinho em Brno, hoje República Checa, em 1843. Nos anos que se seguiram, Gregor Mendel realizou as suas famosas experiências com ervilheiras. Com base nessas experiências, cuidadosamente planeadas e analisadas, Mendel propôs que a existência de determinadas características das ervilheiras, como a cor das flores, se devia a existência de um par de unidades elementares de hereditariedade (os genes). Em 1865 Mendel apresentou os resultados da sua investigação, que haveriam de ser publicados no ano seguinte com o título "Ensaios com plantas híbridas" onde define os princípios fundamentais da hereditariedade, hoje conhecidos como "Leis de Mendel". O trabalho de Mendel não teve grande impacto na época e quando foi eleito abade do mosteiro de Brno, em 1968, Mendel abandonou quase por completo o seu trabalho científico. Porém, ciente da importância do seu trabalho, Mendel terá dito a um amigo "O meu tempo chegará". Chegou realmente! Apesar do seu trabalho pioneiro ter demorado décadas a ser re-descoberto, hoje Mendel é considerado o pai da Genética.

     

    Susana C. Gonçalves

    Investigadora do Centro de Ecologia Funcional 

    Departamento de Ciências da Vida

    Universidade de Coimbra 

    Materiais:

    O design e ilustração dos materiais aqui expostos é da autoria de Victor Hugo Fernandes.