a carregar...

FCTUC

Notícias de 2011

Investigadores da Universidade de Coimbra desenvolvem tecnologia para ajudar na terapêutica de crianças com autismo

Publication date: 09-11-2011 15:36

Realidade virtual ensina crianças com autismo a interagirem em sociedade
Marco Simoes


Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveu um conjunto de ambientes virtuais dinâmicos para estimular o desenvolvimento social de crianças com autismo e auxiliar os médicos na avaliação clínica e monitorização da reabilitação.

A plataforma tecnológica, que engloba um jogo de computador, um capacete de realidade virtual ou óculos 3D e sensores de EEG (medidor de atividade cerebral), regista o comportamento de crianças durante o jogo e envia informação para um módulo Online. Espera-se que venha a permitir aos clínicos não só efetuar o diagnóstico e prescrever a terapia mais adequada, como monitorizar o doente à distância e registar a sua evolução.

De uma forma simples, explica o investigador Marco Simões, «considerando que uma das grandes limitações dos sujeitos com autismo é a capacidade de interação social, o objetivo é que a criança possa, no conforto do lar e num ambiente que não lhe é hostil, realizar os exercícios e remotamente fornecer informação para o clínico que o acompanha».

Este conjunto de ambientes virtuais, realça o investigador do Departamento de Engenharia Informática (DEI), «visa ensinar competências sociais – cumprimentar, sorrir, identificar expressões faciais e repeti-las. O instrumento é um jogo de computador com objetivo pedagógico e de reabilitação. Para evoluir nos níveis do jogo, a criança tem de efetuar vários mecanismos de interação social, acabando por interiorizá-los e transpô-los para o dia-a-dia».

A grande novidade desta investigação é a utilização da realidade virtual como ferramenta de treino de competências sociais no autismo, acompanhada com monitorização neuro-fisiológica: «no jogo a criança interage com pessoas virtuais para, no futuro, interagir com pessoas reais. Desenvolvendo aplicações com tecnologias cada vez mais presentes na vida das pessoas e nas suas casas, é relativamente fácil o seu uso e, consequentemente, a sua comercialização. Os próprios pais podem participar (ainda mais) ativamente na educação dos filhos», conclui Marco Simões.

O estudo, orientado pelos docentes Paulo Carvalho, da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC), e Miguel Castelo Branco, do IBILI - Faculdade de Medicina (FMUC), conta na sua validação com o apoio técnico da Unidade de Neurodesenvolvimento e Autismo do Hospital Pediátrico de Coimbra (coordenada pela Professora Guiomar Oliveira) e da Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo (APPDA).

Testado o conceito, os investigadores vão agora centrar-se em criar um design mais apelativo e explorar novas tecnologias de interação naturais, isto é, mais fácil de usar pelas crianças com autismo.

Consulte as Notícias

Jornal Notícias
Diário Notícias Expresso
Correio da Manhã Diário de Coimbra Diário das Beiras
Visão Jornal da Madeira
Ciência Hoje
RTP
 PT Jornal  Diário da Cidade
 Diário Digital  Exame Informática  Computer World
TekSapo Fibra  BIT
 TV Net A Bola RCMPHARMA
Família Cristã
RAC.com.br