a carregar...

FFUC

NOTÍCIAS

Projeto destinado a combater a doença de Alzheimer, liderado por docente da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (FFUC), vence prémio.

Publication date: 21-09-2017 16:14

prof_dra_armanda_santos.jpg

O projeto “Novos inibidores da BACE1 para o tratamento da doença de Alzheimer: uma abordagem para o desenvolvimento de moléculas mais selectivas e eficazes”, liderado pela Doutora Armanda E. Santos, docente da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (FFUC), foi o vencedor da última edição da Bolsa Edgar Cruz e Silva.

No valor de cinco mil euros, esta bolsa, destinada a financiar o melhor projeto de investigação científica na área de estudo do Envelhecimento Cerebral e Demências, foi conferida pelo Grupo de Estudos de Envelhecimento Cerebral e Demências (GEECD) com o alto patrocínio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, após avaliação das candidaturas de projetos de investigação por um Júri constituído por personalidades de elevado mérito no meio académico e no meio clínico.

A docente da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (FFUC), Doutora Armanda E. Santos, responsável pelo projeto que está a ser desenvolvido por uma equipa de investigação do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) em colaboração com o Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da UC e com o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), esclarece:

1. O que vai ser investigado?

“Este projeto tem como objetivo desenvolver um fármaco para o tratamento da Doença de Alzheimer com capacidade para alterar o curso da doença, retardando o aparecimento de sintomas e/ou inibindo a progressão da doença.

A molécula que estamos a investigar tem como alvo a BACE1, que é a enzima crucial para a formação do peptídeo amilóide cuja acumulação no cérebro desencadeia uma cascata de eventos lesivos que contribuem para a neurodegeneração e demência.

Os estudos já realizados mostraram que o este composto consegue diminuir a produção de peptídeo amilóide bem como a sua deposição no cérebro de murganhos transgénicos usados como modelo animal da doença de Alzheimer.

Pretendemos agora investigar se esta nova molécula inibidora da BACE1 se comporta de forma selectiva relativamente à inibição da clivagem de vários substratos da enzima. Se esta hipótese se verificar será um avanço notável relativamente aos inibidores desenvolvidos até ao presente que apresentam efeitos secundários por falta de seletividade.

2. Quais poderão ser as aplicações (translação) deste estudo?

“O inibidor da BACE1 que estamos a desenvolver tem potencial para ser um fármaco a usar no tratamento da doença de Alzheimer. Esperamos também poder demonstrar que a utilização de inibidores da BACE1 nos doentes de Alzheimer pode ser benéfica não só a nível do cérebro mas também a nível periférico.”

3. Qual a importância desta distinção?

“Esta distinção foi conferida pelo Grupo de Estudos de Envelhecimento Cerebral e Demências (GEECD) com o alto patrocínio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa após avaliação das candidaturas de projectos de investigação por um Júri constituído por personalidades de elevado mérito no meio académico e no meio clínico. Por isso, esta distinção é muito prestigiante e é para nós uma honra e um incentivo a atribuição da Bolsa de Investigação Edgar Cruz e Silva ao projecto que nos encontramos a desenvolver.

Por outro lado, o valor da bolsa atribuída ao projecto é importante para avançar o trabalho experimental. Uma vez que nas áreas biomédicas a investigação é extremamente dispendiosa, todos os apoios são aceites com enorme satisfação.”