Universidade de Coimbra | www.uc.pt

link voltar a UC.PT Universidade de Coimbra
Imagem de identificação do subsite Imagem de apresentação do subsite
Imprimir Tamanho de Letra Normal Aumentar Tamanho da Letra Aumentar Tamanho da Letra

Fulaninho de Cartago (2009)



Antecedentes da acção. Um menino de sete anos foi raptado de Cartago. O pai deste definhou de desgosto e deixou os seus bens a um primo. Um velho misógino de Cálidon, na Etólia, comprou o rapaz, sem saber que ele era filho de um hóspede, adoptou-o, e, antes de morrer, nomeou-o seu herdeiro. Foram depois também raptadas duas primas do jovem juntamente com a ama. Lico, um alcoviteiro, comprou-as a uns piratas e trouxe-as para a vizinhança do rapaz.

A acção. Agorástoles – assim se chama o jovem – anda perdido de amores por uma das moças, Adelfásio, sem fazer ideia de que é sua prima; e o alcoviteiro tortura o enamorado com delongas. Mas este com a ajuda de Milfião, o escravo matreiro, monta-lhe uma armadilha: deste modo, o proxeneta é, na presença de testemunhas adestradas para o efeito, implicado num suposto roubo e arrisca-se a ser arrastado diante do pretor.

Mas o desenlace é precipitado por um reconhecimento. Chega à cidade um velho cartaginês, esperto e manhoso, que descobre que o jovem é o filho do falecido primo e reencontra as filhas que havia perdido.

A peça trata os problemas, actuais, do lenocínio, da escravatura de pessoas raptadas, da pirataria, que, então, assolava o Mediterrâneo. Pontificam os valores da dedicação (pietas) familiar, da fidelidade aos laços de sangue, à pátria e aos deveres de hospitalidade, que se mantinham firmes de geração em geração.

O contexto

Tendo em conta as referências históricas que figuram na peça, nem sempre claras, foram propostas datas para a composição que vão de 197 a 188 a.C. Uma fala das Testemunhas (vv. 524-525) sobre a paz civil e os inimigos aniquilados pode conter uma alusão à derrota de Aníbal, no final da segunda guerra púnica (202 a.C). Mas podem estar implícitas outras guerras, concluídas ou em curso (com Filipe V da Macedónia, derrotado na batalha de Cinoscéfalas, em 197 a.C.; com Nábis, tirano de Esparta, tomada em 195 a.C.; com Antíoco da Síria, derrotado em Magnésia, em 189 a.C.). Seja como for, a escolha do tema não será inócua: na altura da primeira representação, ainda estaria bem fresca a memória das pesadas derrotas que Aníbal infligiu a Roma (218 - 216 a.C.), sobretudo a de Canas, a que se seguiu o supremo desespero de ver Hannibal ad portas – penas agravadas pelos danos irremediáveis, causados pela longa permanência (até 204 a.C.) em terras itálicas de um exército tão numeroso e heterogéneo. Era ainda recente a derrota do terrível inimigo, seguida da paz com Cartago, em 201.

A reacção dos romanos aos cartagineses está patente em algumas tiradas proverbiais sobre a perfídia púnica e comentários jocosos à indumentária exótica (elementos úteis para estudiosos e encenadores), mas não vai além disso. Contrariamente ao que seria de esperar, e que o título parece sugerir, Plauto não se centra no ataque ao inimigo mortal dos romanos. O cartaginês Hanão, talvez por determinação da peça grega que Plauto, no prólogo, diz traduzir, é retratado não como um monstro abatido, mas como modelo de virtudes ancestrais (de onde se evidencia a pietas) e de dignidade. De tal modo que nos parece haver algo de terenciano nesta personagem marcada pelo sofrimento. No final, Hanão é o grande triunfador que traz o prémio para os bons e a ruína para os perversos. Além disso, as raparigas cartaginesas, apesar da situação em que se encontram – estão prestes a ser iniciadas na prostituição –, lutam para manter a dignidade da sua condição (sobretudo Adelfásio). E são salvas no último momento, como salienta a ama: quando se preparavam já para se submeterem ao destino. Daí a esfuziante alegria, por reencontrarem o pai, há tanto tempo esperado.

A acção decorre no dia das Afrodísias, a festa de Vénus.

As personagens

Agorástocles não se afasta do que é de esperar do jovem enamorado, egoísta e cruel. Acrescenta-se a avareza, pois, apesar de ser emancipado, ainda não resgatou a amada. A favor do jovem é creditado o respeito pelos laços de hospitalidade, que o levam a acolher incondicionalmente Hanão, bem como o orgulho da sua origem cartaginesa.

Milfião é o típico escravo matreiro, de resposta pronta, apreciador mais do vinho que de mulheres, como ele próprio diz. Não poupa as palavras de troça ao seu amo apaixonado.

Adelfásio é uma jovem raptada, destinada a ser meretriz. Nota-se, nesta personagem, uma certa contradição de carácter psicológico: ora se apresenta consciente da dignidade da sua origem nobre, ora parece agir como uma vulgar cortesã.

Anterástilis é irmã da anterior, raptada juntamente com ela. Revela-se mais mundana do que a irmã.

Lico (em grego, «lobo»), o alcoviteiro, é ávido de dinheiro até à impiedade. Mas ele apenas cumpre o seu mester. No final, é um homem destruído, e a sua resignação em reconhecer que perdeu e em aceitar a sorte que lhe está destinada quase provoca a comiseração.

Antaménides é o típico soldado fanfarrão plautino. A proclamação da sua gesta, a vitória sobre os homens voadores, não fica atrás, na fantasia, das façanhas de Pirgopolinices em O Soldado Fanfarrão.

As Testemunhas funcionam como um raro exemplo de coro na comédia romana. Não são testemunhas isentas, pois vão prestar juramento numa acusação que sabem ser uma farsa.

Colibisco é o caseiro de Agorástocles que, para enganar o alcoviteiro, faz o papel de mercenário de Esparta foragido.

Sincerasto, escravo do alcoviteiro, não partilha os valores do seu amo; lamenta-se da decadência do lupanar e prontifica-se a contribuir para a ruína do patrão.

Hanão, o cartaginês, procura continuamente as suas filhas raptadas. Entra em cena a falar púnico, o que mostra que os espectadores romanos entenderiam alguma coisa da língua do inimigo. Apesar de o termo Hanão estar consagrado em português, como nome de várias pessoas gradas de Cartago, adoptámos para a representação a forma (também legítima) de Hánon, para evitar equívocos da linguagem oral e pela sonoridade exótica.

Gídenis é a ama de Adelfásio e Anterástilis e chave para o reconhecimento imediato de Hanão.

Finalmente, um Escravo (nesta representação, uma escrava) do séquito de Hanão é filho da ama Gidénis.

Ficha técnica:

Encenação: José Luís Brandão

Guarda-roupa e adereços: Carla Braz, Carlos Jesus, Dila Pato e José Luís Brandão

Composição musical: José Luís Brandão

Selecção Musical: Carlos Jesus e José Luís Brandão

Cenários: Ana Seiça Carvalho, Beiracarp Carpintarias Lda, Carla Correia, Carlos de Jesus, José Luís Brandão, Nelson Henrique

Sonoplastia: Cláudia Cravo e Marta Gama

Luminotecnia: Ana Seiça Carvalho, Carlos Santos

Caracterização: Vítor Teixeira

Elenco:

Nilce Carvalho; Nelson Henrique: Agorástocles

Amélia Álvaro de Campos: Milfião

Inês Correia; Ângela Leão; Elise Cardoso: Adelfásio

Carla Rosa: Anterástilis

Carlos Jesus: Lico

José Luís Brandão: Hanão

Delfim Leão: Antaménides

Nelson Henrique; Claudio Castro Filho, Daniela Pereira: Colibisco

Miguel Sena: Sincerasto

Stella Quandt; Ana Seiça Carvalho: Gidénis

Carla Correia; Erika Mascarenhas; Cristina Gonçalves: Escrava

Cristina Gonçalves: Testemunha

José Carlos Pereira: Testemunha

Carla Braz: Testemunha

Carla Cerqueira: Testemunha

André Aleixo: Testemunha

André Loureiro: Testemunha

© University of Coimbra · 2009
Portugal/WEST GMT · S:184
Símbolo de Acessibilidade à Web.Loja VirtualAviso LegalComentáriosContactosMapa do Sitevoltar ao topo
POS_C FEDER
QWeb Boas Praticas