Universidade de Coimbra | www.uc.pt

link voltar a UC.PT Universidade de Coimbra
Imagem de identificação do subsite Imagem de apresentação do subsite
Imprimir Tamanho de Letra Normal Aumentar Tamanho da Letra Aumentar Tamanho da Letra

Tipos de Micorrizas

Micorrizas - Tipos de Micorrizas - EcologiaImportância fisiológica – No PNSE - Recuperação Pós-Fogo 

Podem distinguir-se 6 tipos de micorrizas diferentes com base na estrutura da associação, características do fungo e planta hospedeira: as micorrizas arbusculares, as micorrizas ericóides, as micorrizas orquidóides, as ectomicorrizas, as micorrizas arbutóides e as micorrizas monotrepóides (Fig. 1).

Micorrizas Arbusculares (AM)

São as mais abundantes e geralmente as menos específicas no que diz respeito ao fitossimbionte (Molina, Massicotte e Trappe, 1992). Estão presentes na maioria das raízes das angiospérmicas, gimnospérmicas e pteridófitas, assim como nos gametófitos de briófitas (Peterson, Howarth e Wittier, 1981; Allen, 1996). Os fungos simbiontes pertencem à ordem Glomales (classe Zygomycotina) e são asseptados. As micorrizas arbusculares são endófitas e caracterizam-se pela presença de arbúsculos intracelulares na região cortical da raiz e pela presença de hifas inter e intracelulares (alguns fungos AM também formam vesículas inter ou intracelulares) (Fig. 1. b).

Micorrizas Ericóides (EM)

Estão presentes nas raízes das famílias Ericaceae, Empetraceae e Epacridaceae (Smith e Read, 1997). São endófitas e caracterizam-se pela presença intracelular de estruturas enroladas, localizadas sobretudo nas células epidérmicas (Fig. 1. c) (Bonfante-Fasolo e Gianninazzi-Pearson, 1979). Os fungos simbiontes pertencem às classes Ascomycotina e Basidiomycotina (Smith e Read, 1997).

Representação esquemática de um corte transversal de várias raízes ilustrando os sete tipos de micorrizas


Fig. 1.  mais frequentes: ectomicorrizas (ECM) (a), micorrizas arbusculares (AM) (b), micorrizas ericóides (c), micorrizas orquidáceas (d), micorrizas arbutóides (e), micorrizas monotrepóides (f) e arbúsculo (ar), “arbutóides” (arb), célula cortical (cc), esporo (e), enrolamentos (er), “haustórios” (ha), manto (m), micélio extrarradicular (me), novelos (nov) e rede de Hartig (rH) (Azul 2002, modificado a partir de Deacon 1997)

Micorrizas Orquidóides

Estabelecem-se entre membros da família Orchidaceae e fungos Basidiomycotina. São endófitas e caracterizam-se pela presença de novelos intracelulares, que correspondem a hifas densamente enroladas, nas células corticais do tubérculo da orquídea (Fig. 1. d). O fungo simbionte coloniza as sementes no início da germinação da planta e suporta todos os gastos energéticos (protocormo) através da translocação de hidratos de carbono adquiridos via saprofítica, ou parasita, ou a partir de outras micorrizas (Wilcox, 1991). Normalmente a planta adulta também se encontra micorrizada. A planta adulta pode manter o seu comportamento mico-heterotrófico no caso de não possuir clorofila, ou receber do fungo apenas nutrientes minerais, se possuir clorofila.

Ectomicorrizas (ECM)

Estão presentes em 25 famílias de plantas vasculares, entre elas as famílias: Betulaceae (70%), Dipterocarpaceae (98%), Fagaceae (94%), Myrtaceae (90%), Pinaceae (95%), algumas Leguminosae (16%) (Newman e Reddell, 1987), alguns géneros de arbustos, Cistus, Helianthemum, Juniperus, entre outros, e um pequeno número de herbáceas (Smith e Read, 1997). As ectomicorrizas estão em cerca de 3% das plantas com semente, na maioria lenhosas, que dominam em quase todos os ecossistemas terrestres. Os fungos simbiontes pertencem às divisões Ascomycotina e Basidiomycotina , estima-se que varie entre 5000 e 6000. As ectomicorrizas caracterizam-se pela presença do manto e da rede de Hartig (Fig. 1. a). O fungo desenvolve-se à volta da raiz e forma um invólucro a que se dá o nome de manto; as hifas mais internas do manto penetram a região exterior da raiz, envolvem as células epidérmicas e/ ou corticais e formam a rede de Hartig. O micélio externo assegura a interface substrato-fungo-planta, que atinge o seu maior significado ao nível da rede de Hartig.

Micorrizas Arbutóides

Estabelecem-se entre plantas da ordem Ericales , concretamente a três géneros: Arbutus , Arctostaphylos e Pyrola , e os fungos Ascomycotina e Basidiomycotina , sem aparente especificidade. Caracterizam-se pela presença de manto, de rede de Hartig e de hifas intracelulares que formam estruturas enroladas - os “arbutóides" (Fig. 1. e) (Smith e Read, 1997).

Micorrizas Monotrepóides

Estabelecem-se entre membros da família Monotropaceae (plantas sem clorofila) e fungos Basidiomycotina (Smith e Read, 1997). Caracterizam-se por apresentarem um manto espesso, rede de Hartig e estruturas intracelulares, ramificadas e designadas por “haustórios" (Fig. 1. f).


© University of Coimbra · 2009
Portugal/WEST GMT · S:
Símbolo de Acessibilidade à Web.Loja VirtualAviso LegalComentáriosContactosMapa do Sitevoltar ao topo
POS_C FEDER
QWeb Boas Praticas