Universidade de Coimbra | www.uc.pt

link voltar a UC.PT Universidade de Coimbra
Imagem de identificação do subsite Imagem de apresentação do subsite
Imprimir Tamanho de Letra Normal Aumentar Tamanho da Letra Aumentar Tamanho da Letra

Geologia e Glaciações

Aspectos Gerais – Clima – Geologia e glaciações – Vegetação – Reserva Biogenética

Durante o máximo de glaciação, a calote glaciar ocupava a parte superior da Serra da Estrela. Os gelos formavam uma cúpula no cimo da montanha, de onde divergiam “línguas” que escoavam pelos vales periféricos mais profundos (fig. 3). A 1650m encontrava-se o limite das neves perpétuas o que significa que, a partir dessa altitude, as neves não fundiam de um ano para o outro o que levou à sua compactação.Gelo

Fig. 3. Nave de St. António após um Nevão

Nave de St. António com cervunal na base e moreias

Fig. 4. Nave de St. António com cervunal na base e moreias

Os glaciares da Serra da Estrela deixaram diversos depósitos sedimentares que caracterizam toda a paisagem do maciço e tornam inequívoca a existência da própria glaciação. Formações geológicas típicas associadas à morfogénese glaciária parecem estar na base de alterações nas condições ecológicas, que se reflectem na flora e na vegetação, nomeadamente ao nível de variações no declive; orientação das vertentes ao sol e aos ventos; existência ou não de rególitos (e sua granulometria) e de depósitos sedimentares (figs. 4 e 5).


Embora as glaciações do Quaternário (as mais recentes), tenham sido menos severas em Portugal do que noutras partes da Europa, o que permitiu a sobrevivência de um grande número de espécies vegetais que se extinguiram em outros locais, as alterações geológicas devido aos glaciares tiveram impacto notório na vegetação.

Vale do Zêzere

Fig. 5. Vale do Zêzere com formato típico de vale glaciárico



© University of Coimbra · 2009
Portugal/WEST GMT · S:
Símbolo de Acessibilidade à Web.Loja VirtualAviso LegalComentáriosContactosMapa do Sitevoltar ao topo
POS_C FEDER
QWeb Boas Praticas