Universidade de Coimbra | www.uc.pt

link voltar a UC.PT Universidade de Coimbra
Imagem de identificação do subsite Imagem de apresentação do subsite
Imprimir Tamanho de Letra Normal Aumentar Tamanho da Letra Aumentar Tamanho da Letra

Grão de Polén

Gramíneas - Cervunais e Lagoachos - Inventário - Nardus -

Complexo Aira/Corynephorus - Grão de Polén - Orbículos

O GRÃO DE PÓLEN pode considerar-se o parceiro masculino no processo de reprodução sexuada das plantas com flor. É ele o responsável pela formação dos gâmetas masculinos (células espermáticas) e pelo transporte destes para o saco embrionário, onde ocorrerá a dupla fertilização. Trata-se, pois, dum gametófito multicelular masculino, ainda que muito reduzido (microgametófito), cuja função é transmitir a informação genética paterna no momento da dupla fertilização. A sua formação ocorre em estruturas reprodutoras especializadas da flor, as anteras, que quando sofrem deiscência libertam o pólen maturo para que este seja transportado até aos estigmas da mesma ou de outra flor. Nesta fase, denominada progâmica, o pólen germina na superfície estigmática e origina um tubo polínico, que cresce e penetra através do pistilo até reconhecer e penetrar o óvulo. A fase ulterior, denominada singâmica, caracteriza-se pelo rebentamento do tubo polínico e a libertação das células espermáticas no interior do saco embrionário, onde vão executar a dupla fertilização.

Dependendo das espécies, os grãos de pólen são libertados das anteras no estado bicelular ou tricelular. No primeiro caso, o pólen consiste de uma célula vegetativa, que é aquela que se alonga e desenvolve o tubo polínico, e uma célula generativa ou geradora, que é aquela que sofre mitose e citocinese e origina as células espermáticas. Neste caso, a mitose e citocinese ocorrem na célula generativa quando esta já se encontra no interior do tubo polínico. No pólen tricelular, a mitose e citocinese ocorrem no grão de pólen ainda no interior das anteras, pelo que este é libertado constituído por uma célula vegetativa e duas células espermáticas. O grão de pólen das gramíneas é libertado no estado tricelular (fig. 1).Grão de pólen de gramínea observado ao microscópio óptico após coloração com carmim acético

Fig. 1. Grão de pólen de gramínea observado no microscópio óptico

Grão de pólen de gramínea observado no microscópio electrónico de varrimento

Fig. 2. Grão de pólen de gramínea observado no microscópio electrónico de varrimento

Os grãos de pólen das gramíneas são esferóides (fig. 2) a ovóides, medindo em média entre 16 e 47 µm. São grãos monoporados (1-anaporados), heteropolares, isto é, com um pólo proximal e um pólo distal bem diferenciados, e radiosimétricos, isto é, com simetria radial. Em vista equatorial são normalmente circulares, elípticos ou ovais (fig. 1). Em vista polar são circulares. A abertura polínica tem uma forma circular, tipo poro (2-4 µm de diámetro; figs. 1 e 2), e, como acontece em todas as monocotiledóneas, situa-se no pólo distal possuindo um opérculo que, na maioria dos casos, desaparece com a acetólise. A exina é fina (1-1,5 µm de espessura), quando comparada com a maioria da das outras Angiospérmicas, e apresenta-se diferenciada em duas camadas, a sexina (camada mais externa e esculpida) e a nexina (camada mais interna e não esculpida). A sexina é geralmente mais espessa que a nexina, embora esta se apresente mais espessa sob a abertura polínica para formar o opérculo (fig. 2). Na sexina, o tecto é completo e perfurado e o infratecto é columelado. A superfície da exina compõe-se geralmente de pequenos grânulos mais ou menos densos (pólen escábrido; fig. 2) ou é inteiramente lisa (pólen psilado)

Devido às suas características peculiares, o grão de pólen tem hoje inúmeras aplicações, sendo objecto de estudo em muitas áreas de investigação científica. Tendo em conta a constância dos caracteres palinológicos para um determinado taxon, o pólen é hoje cada vez mais usado em estudos de Sistemática e de Filogenia. Na família Poaceae, por exemplo, os grãos de pólen das diversas espécies não podem distinguir-se morfologicamente entre si. Na verdade, esta é considerada um exemplo típico de uma família estenopolínica, ou seja, que apresenta uma baixa diversidade polínica. Apenas o pólen dos cereais mostra algumas diferenças tendenciais em relação ao das gramíneas selvagens, como sejam um tamanho maior e poros e respectivos opérculos com dimensões superiores, sendo estas as características polínicas mais variáveis apresentadas por esta família.

© University of Coimbra · 2009
Portugal/WEST GMT · S:
Símbolo de Acessibilidade à Web.Loja VirtualAviso LegalComentáriosContactosMapa do Sitevoltar ao topo
POS_C FEDER
QWeb Boas Praticas