a carregar...

CEIS20

Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX

MOBILIDADES: INDIVÍDUOS E IDEIAS ENTRE LUGARES


Esta linha temática acolhe, sistematiza e dá aprofundamento interdisciplinar a um significativo conjunto de investigações, parcerias e iniciativas comuns desenvolvidas pelo CEIS20. Uma das preocupações centrais desta linha temática é o território. Como a bibliografia tem sublinhado, o território é, simultaneamente e em proporções variáveis, funcional e simbólico. No que diz respeito à Europa, estas coordenadas são fundamentais para identificar, investigar e operacionalizar o conhecimento relativamente às condições de migrações maciças, exclusão social e conflitos étnico-antropológicos.

Deste modo, outra preocupação central é estudar as condições de coesão social europeia e os modos de presença da Europa num mundo em mudança. A linha temática tomou forma a partir do pressuposto de que há um saber acumulado, por vários investigadores em vários Grupos do CEIS20, que permite aprofundar investigação sistemática sobre processos de mobilidade de pessoas e mobilidade de ideias que permitam identificar as novidades das migrações em contexto de globalização e o impacto dessas transformações espácio-temporais na complexificação das construções identitárias.

São objeto de especial interesse os seguintes temas:

1. a receção de correntes de pensamento e de novas perspetivas políticas, sociais, científicas ou culturais, bem como os modos de projeção das produções portuguesas;

2. a tensão entre o interior e o exterior, e as suas relações com as tensões entre tradição e modernidade, atraso e desenvolvimento;

3. as modalidades de emigração e suas implicações;

4. a colonização, a descolonização e a situação pós-colonial;

5. a realidade insular, com particular enfoque na valorização do espaço atlântico;

6. migrações e exílios, em toda a diversidade das suas condições – políticas, sociais, económicas, culturais.

A linha temática interessa-se, também, pelos múltiplos processos de redefinição do nacional, processos esses tão diferentes na Europa, em África e na América do Sul.

Esta linha lança igualmente as bases para a investigação das condições de deslocação de instâncias de decisão políticas e económicas para o exterior da Europa e aprofunda a investigação das relações com o Oriente. Deste modo, esta linha acolhe investigadores visitantes que desenvolvem pesquisas sobre a irradiação internacional da cultura portuguesa e, mais amplamente, da cultura europeia.

As investigações, no seu todo, estão ancoradas metodologicamente numa consciência pós-colonial e desenvolvem uma abordagem das relações entre espaços e identidades, pautada pela irredutibilidade à problemática da ideia de origem e pelo propósito de inscrever o estudo da circulação de pessoas, bens e ideias no aprofundamento de preocupações transnacionais e transculturais.

A linha temática é o espaço privilegiado para o trabalho da rede Migrações e Exílios que tem como objetivo congregar especialistas, membros e não membros CEIS20, e promover as pesquisas realizadas no âmbito da temática migrações/exílio. Apesar de privilegiar os estudos acerca dos núcleos portugueses, a rede está aberta a todos aqueles que, como pesquisadores da temática, possam contribuir para o diálogo, para a troca de experiências e informações que ajudem a reflexão teórica e o desenvolvimento de metodologias adequadas. No entanto, pela necessidade de conhecer as razões da emigração/exílio e as realidades vivenciadas nas áreas de fixação da emigração e exílio português, é necessário impor certas delimitações. Desta forma, serão considerados os investigadores que possuam trabalhos em áreas de maior concentração de elementos lusos, a saber, na sua transversalidade com as Américas, Espanha, França e África.

A linha temática constitui ainda o horizonte adequado para o aprofundamento integrado das possibilidades inerentes a um vasto conjunto de parcerias, com intervenientes locais e regionais que, nessa escala, estruturam verdadeiramente o território.


1. Estrutura organizativa

Para esta linha definimos a criação de um seminário a decorrer no período 2015-2020, com periodicidade regular (bimensal). Este seminário será o espaço de convergência, de harmonização e de estabilização científica dos contributos dos investigadores dos Grupos diretamente implicados no desenvolvimento da Linha temática. O seminário relaciona-se estreitamente com o Curso de 3º Ciclo (PhD) em Estudos Contemporâneos, incentivando os docentes e os doutorandos a uma participação constante e profícua. O seminário articula-se com iniciativas congéneres de outros Centros, nacionais e internacionais, com indiscutível reputação na investigação da temática em estudo. O seminário acolhe investigadores externos ao CEIS20 que contribuam com perspetivas originais para o prosseguimento do seu próprio trabalho. O coordenador do seminário desenvolve os procedimentos necessários para a concretização com êxito das iniciativas e decorrentes trabalhos colaborativos.

Esta linha organiza-se assim em torno de uma estratégia global de iniciativas, envolvendo os Grupos e a formação avançada (PhD students), assim como a dimensão editorial do CEIS20 (revista, cadernos e coleções), sob a coordenação científica do Investigador Responsável por esta linha.

A produtividade da linha temática beneficia da atividade autónoma dos Grupos, cuja liberdade, diversidade e imaginação são requisitos essenciais para uma investigação especializada, a qual, pelo menos parcialmente, integra no momento adequado a corrente da linha temática.

Os dois espaços de produção científica do CEIS20 – a revista Estudos do Século XX e os Cadernos do CEIS20 – terão números regulares dedicados a esta linha temática, promovendo a reflexão sobre o tema e conjugando as diferentes perspetivas dos Grupos. Será organizado um encontro bienal para apresentar os resultados parciais do trabalho desenvolvido e conferir à temática uma dimensão nacional e internacional. As várias coleções editoriais, coordenadas por membros integrados do CEIS20, ficarão também abertas a propostas de publicação de obras sobre este tema.


2. Objetivos

Os objetivos específicos são os seguintes:

1.º Aprofundar investigações ancoradas numa consciência pós-colonial, que desenvolvam uma abordagem das relações entre espaços e identidades, pautada pela irredutibilidade à problemática da ideia de origem e pelo propósito de inscrever o estudo da circulação de pessoas, bens e ideias no aprofundamento de preocupações transnacionais e transculturais;

2.º Consolidar a rede Migrações e Exílios com os seguintes objetivos: congregar especialistas, membros e não membros da instituição, com o objetivo de dar a conhecer as pesquisas realizadas e os estudos desenvolvidos no âmbito da temática migrações/exílio; contribuir para o diálogo, para troca de experiências e informações que ajudem à reflexão teórica e ao desenvolvimento de metodologias adequadas;

3.º Promover a convergência de trajetos de investigação que abordem, entre outras, as seguintes problemáticas: refugiados e exilados, emigrantes e imigrantes; nacionalismos e regionalismos; Estados africanos; o jornalismo enquanto espaço de difusão de conhecimento e cultura; o desporto enquanto fenómeno social e político; ensino da história e reflexão sobre a memória histórica; património cultural e museologia;

4.º Aprofundar a pesquisa sobre geopolítica e migrações: investigar a construção de identidades em contextos regionais, nacionais e transnacionais no espaço insular, europeu e atlântico; o papel das elites e poderes no contexto europeu e atlântico – territorialidade científica; os fenómenos de produção, circulação e intercâmbio socioculturais e institucionais no quadro europeu e atlântico; os discursos e os projetos sobre a memória transcultural da Europa; a diplomacia em tempos de crise – séculos XIX a XXI; os horizontes insulares – identidades, autonomia, açorianidade, ultraperiferia; a ideia de Comunidade Atlântica; os Açores como espaço estratégico;

5.º Aprofundar modalidades de conhecimento mútuo entre a Europa e o Oriente (sobretudo Macau e China);

6.º Estudar, na área da medicina e das ciências da saúde, o modo e os mecanismos de receção portuguesa da inovação científico-tecnológica; o lugar, a importância e a projeção de inovações científico-tecnológicas portuguesas; a circulação de saberes, entre o nacional e o internacional, o tradicional e o moderno; o popular e o erudito;

7.º Fortalecer o eixo temático imagens e culturas em movimento nas cinematografias faladas em português: prosseguir e atualizar em permanência o Dicionário Online sobre a Memória do Império Colonial Português, a partir da ficção cinematográfica de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste; dar continuidade ao ciclo O Cinema dos Países Lusófonos, para apresentação de resultados de investigação e mostra da produção fílmica; aprofundar o conhecimento do universo cinematográfico lusófono, criando equipas de vários países e sistemas de comunicação eficazes; analisar a representação colonial no cinema documental português entre 1920 e 1950;

8.º Consolidar o ciclo O Cinema e a Cidade: a partir da hipótese de que há uma relação congénita entre o cinema e a cidade, estuda-se e mostra-se como é que o cinema foi inventando as cidades que foi projetando nas telas, ao mesmo tempo que alimentava e disseminava imaginários urbanos poderosos;

9.º Consolidar uma investigação fundamental sobre Educação, Território e Desenvolvimento Sustentável: relacionar a educação e o conceito de desenvolvimento sustentável; estudar Cartas Educativas enquanto instrumento legitimador do planeamento estratégico e do reordenamento da rede escolar; analisar políticas educativas municipais; desenhar possibilidades de reorganização de políticas educativas locais; projetar novas possibilidades de organização da oferta educativa a partir da articulação de instituições, de grupos organizados e dos recursos disponíveis num território; promover a preservação do património e a investigação sobre a sua apropriação pedagógica e didática;

10.º Estudar as políticas educativas e a organização dos sistemas nacionais de educação/formação, considerando fenómenos como a globalização, transnacionalização e desenvolvimento local.

11.º Desenvolver investigação aprofundada na área das Ciências da Comunicação, sobretudo na análise dos grandes debates da contemporaneidade, procurando centrá-los no espaço público de língua portuguesa e no campo do jornalismo enquanto espaço informativo e difusor de conhecimento e cultura.

12.º Estabelecer formas inovadoras de acesso digital ao património cultural.