Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Fronteiras da Ciência : "Onde estão as Fronteiras da Física?"

Publication date: 27-04-2016 14:29

FronteirasDaCiencia_OndeEstaoAsFronteirasDaFisica.thumb

Na próxima 5ª feira28 de Abril de 2016, pelas 18h realiza-se no RÓMULO Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, a palestra intitulada "Onde estão as fronteiras da Física?: da matéria e energia escura aos sistemas complexos", com Carlos Fiolhais, no âmbito do ciclo Fronteiras da Ciência, coordenado por António Piedade.

RESUMO DA PALESTRA

Há cem anos tinha sido acabada uma das mais belas teorias físicas: a teoria da gravidade geral de Einstein. O átomo de Bohr, com o núcleo de Rutherford, existia há pouco, funcionando de acordo com uma versão primitiva da teoria quântica. Conhecia-se a supercondutividade mas não a sua justificação. Há 50 anos a teoria quântica tinha sido desenvolvida, permitindo saber de modo bastante preciso como funcionavam os átomos, moléculas e sólidos (química e física da matéria condensada). Tinha avançado a física nuclear, sabendo-se como funcionava o Sol. Com a teoria quântica, explicou-se a supercondutividade e construiu-se o transístor, base da tecnologia de computadores, e o laser, base da fotónica. Na altura, viu-se pela primeira vez a radiação cósmica de fundo, que confirmou a teoria do Big Bang. Nos últimos 50 anos obteve-se um modelo padrão da física de partículas e forças fundamentais e um modelo padrão da cosmologia, os dois relacionados um com o outro. No CERN descobriu-se o Higgs, coroa de glória do modelo padrão. Mas este modelo é insatisfatório: procuram-se hoje teorias de superunificação. A teoria da relatividade geral foi confirmada com a recente descoberta de ondas de gravidade. Mas falta uma teoria quântica da gravidade. Dos céus surgiram dois enigmas: a matéria negra (procuram-se no CERN partículas dela) e a energia escura. E permanecem mistérios como a assimetria de matéria e a inflação. Uma outra fronteira da Física é a complexidade: Os computadores avançaram extraordinariamente assim como os algoritmos que usam. A química, a ciência dos materiais e a biologia ficaram ao alcance da física. A teoria dos sistemas complexos surgiu graças às novas possibilidades computacionais. Fizeram-se, por exemplo, avanços teóricos na formação de sistemas solares e na síntese biológica, enquanto nos céus se encontravam exoplanetas e se procurava a origem da vida. Os computadores quânticos permitirão decerto avanços em múltiplas áreas. O último reduto do complexo é, decerto, o cérebro e o fenómeno da consciência.

ENTRADA LIVRE
Público-alvo: Público em geral

[FOTOGRAFIAS DO EVENTO]

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cartaz > – < Programa > – < Facebook >

Contactos: Maria Manuela Serra e Silva – ccvromulocarvalho@gmail.com / 239 410 699