a carregar...

UC.PT

Imprensa da Universidade

Chancelaria de D. Afonso III: livro I *

Autores: Leontina Ventura; António Resende de Oliveira
Língua: Português
ISBN: 972-8704-87-9
ISBN Digital: 978-989-26-0411-4
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0411-4
Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra
Edição: 1.ª
Data: Novembro 2006
Preço: 45,00 € (2 volumes)
Dimensões: 240 mm x 170 mm
N.º Páginas: 470 (volume 1); 365 (volume 2)


Sinopse:

As chancelarias régias portuguesas do período medieval — entendendo-as aqui, em sentido restrito, como todas as cartas emanadas da corte com as disposições de um rei sobre os assuntos que a ela chegavam ou se integravam no seu projeto de governação — constituem a fonte mais importante de que o historiador dispõe para o estudo do Portugal medieval e, em particular, do reinado a que dizem respeito. A Chancelaria de D. Afonso III ocupa, no entanto, um lugar à parte na evolução da produção documental da corte régia portuguesa. Na verdade, pela primeira vez, poucos anos após a sua chegada ao trono, um monarca mandou registar em códice próprio e pela ordem em que iam sendo entregues aos destinatários, todas as cartas saídas da chancelaria: aforamentos, cartas de foral, leis, cartas de povoamento, escambos, doações aos seus fiéis vassalos, tratados com Castela, cartas de composição, etc. Iniciado em 1253, esse Registo — que constitui precisamente o chamado Livro I da Chancelaria — continuará a ser escrito até às vésperas da morte do rei, ocorrida a 16 de Fevereiro de 1279. Contava então mais de sete centenas de documentos, constituindo-se, portanto, por intermédio das áreas que foram merecendo a sua atenção ao longo da maior parte do reinado, como um retrato fiel do seu governo. Ao seu lado, dois outros registos documentais complementaram a atividade administrativa do monarca: o Livro II, redigido pelos finais dos anos cinquenta e que contém perto de duas centenas de aforamentos e cartas de foral, muitos dos quais dos reis anteriores; e o Livro III, de dimensões ainda mais reduzidas, confecionado já nos anos setenta para albergar uma documentação mais diversificada e que não tinha sido igualmente incluída, por motivos que desconhecemos, no primeiro Registo. Embora estejam longe de representar todo o labor escriturário desenvolvido pelo chanceler e seus notários nos cerca de trinta anos da sua atividade sob D. Afonso III, constituem sem dúvida, pela amplitude temporal e pela diversidade da documentação, o núcleo que melhor documenta essa atividade e, consequentemente, a do monarca que serviam.

Introdução - PDF

carrinho3