a carregar...

UC.PT

Imprensa da Universidade

João Chagas: a escrita como arma

João Chagas

Autor: Joaquim Romero Magalhães
Língua: Português
ISBN: 978-989-26-0733-7
ISBN Digital: 978-989-26-0734-4
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0734-4
Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra
Edição: 1.ª
Data: Maio 2014
Preço: 6,00 €
Dimensões: 199 mm x 135 mm
N.º Páginas: 90

Sinopse:

No dia 5 de Outubro de 1910 a monarquia portuguesa caía sem quase haver quem a defendesse. E não porque as forças revolucionárias fossem tão poderosas que a derrocada se tivesse mostrado impossível de deter. Porém, poucos e pouco empenhados foram os defensores. Porque era geral o sentimento de que a monarquia já não servia o País. Fora esse o trabalho dos propagandistas, divulgando as ideias democráticas e convencendo os cidadãos da bondade das propostas republicanas. Muitos foram os que se empenharam na propaganda, não apenas pela palavra oral mas sobretudo pela escrita.

Entre eles o mais notável terá sido João Chagas – como escritor e como divulgador de ideias destrutivas arremessadas contra a monarquia. Através de toda a sua obra, desde A Republica Portugueza jornal publicado no Porto em 1890-1891 até às Cartas Politicas saídas em Lisboa em 1908-1910, foi a escrita usada como arma contra a dinastia e contra o que o regime representava de atraso para o País.

Escrita de alta qualidade, empregando modos de expressar muito vibrantes e directos, mas ao mesmo tempo caprichando em elegância formal e usando a ironia e a boa disposição de um modo destruidor para os visados. A escrita de João Chagas é por si mesma a lição de um modo de fazer política. Transformando a prosa num como que projéctil. Que resultou eficaz, multiplicando o apoio popular que o regime republicano já tinha no momento da queda da monarquia. Pelo que João Chagas tem de ser tido como um dos principais agentes da revolução do 5 de Outubro.

carrinho3