a carregar...

UC.PT

Imprensa da Universidade

Membros Portugueses da Royal Society

RoyalSociety

Coordenadores: Carlos Fiolhais; A.E. Maia Amaral (Editor literário)
Língua: Português 
ISBN: 978-9872-616-226-1
Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra 
Edição: 1.ª 
Data: Janeiro 2010
Preço: 24,99 € 
Dimensões: 252 mm x 250 mm 
N.º Páginas: 128

Sinopse:

Foram 25 até hoje os membros portugueses da Royal Society, a grande maioria dos quais no século XVIII. Logo em 1668, quando reinava em Portugal D. Afonso VI , entrou para a Royal Society o primeiro português: o arquivista António Álvares da Cunha. Mas foi no longo reinado de D. João V, o construtor da Biblioteca Joanina (iniciada em 1717, ficou pronta em 1728), que entraram para a sociedade mais portugueses: doze, entre os quais o astrónomo de origem italiana João Baptista Carbone, o médico Jacob de Castro Sarmento (que de Londres, refugiado para fugir à Inquisição, enviou para a Universidade de Coimbra um dos primeiros microscópios a chegar a Portugal) e o físico e engenheiro Bento de Moura Portugal, conhecido por o "Newton português". Alguns diplomatas portugueses em Londres tiveram também a honra de entrar para a instituição, o mais famoso dos quais foi em 1740 Sebastião José de Carvalho e Melo, que havia de ser o Marquês de Pombal. No reinado de D. José I (1750-1777), quando pontificou a figura do Marquês, entraram como sócios mais sete portugueses, alguns dos quais "estrangeirados", isto é, homens de cultura que se exilaram. Entre eles destacam-se João Chevalier, astrónomo que havia de chegar a Director da Real Academia Belga, Teodoro de Almeida, o primeiro físico experimental português e também o primeiro divulgador da ciência entre nós, e João Jacinto Magalhães, talvez o mais famoso de todos os cientistas portugueses que foram membros da Royal Society. Magalhães, um descendente do navegador Fernão de Magalhães, conviveu com os maiores cientistas da sua época (Watt, Priestley, Volta, Franklin, etc.) e foi o autor de instrumentos científicos, alguns dos quais pertencentes hoje às colecções do Gabinete de Física Experimental do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra. O mais importante diplomata português que entrou nessa época na Royal Society foi D. João de Bragança, 2.º Duque de Lafões, exilado para fugir ao regime pombalino.