Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Jardim Botânico recebe Jungle Red Lab - Sons da Cidade

Publication date: 14-06-2018 15:41

Jungle Red

O Jardim Botânico da Universidade de Coimbra vai receber o Sons da Cidade, com um trabalho de Carlota Lagido, intitulado Jungle Red.

JUNGLE RED LAB é um laboratório de criação e composição coreográfica dirigido a diferentes públicos.

Sendo uma das actividades do projecto coreográfico transdisciplinar JUNGLE RED, de Carlota Canto Lagido, a artista convida à participação do público no processo criativo deste projecto.

O laboratório irá decorrer de 16 a 21 de Junho, entre as 15h e as 20h, e poderão participar inscrevendo-se através do email sonsdacidade.unesco@gmail.com

A apresentação pública do resultado deste laboratório terá lugar no dia 22 de Junho, às 18h30, no Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, no âmbito do programa Sons da Cidade

Jungle Red é uma ficção, é um bando de pássaros à procura do Simurgh, o rei dos pássaros — uma criatura híbrida, fénix, macho, fêmea, outro. Como diz Borges, “um ser composto de outros seres, um pássaro feito de pássaros”; mas Jungle Red é verdadeiramente sobre a nostalgia do paraíso. É sobre o desejo de plenitude para o mundo. É uma selva idílica, um jardim supremo onde tudo coexiste em harmonia. Em sânscrito a palavra paradesha/paraíso significa país supremo.

Neste projeto exploram-se diferentes dimensões da utopia, paradigmas de lugares ou estados edénicos e entende-se o Paraíso como uma metáfora da aspiração ao bem estar comum entre humanos (e humanos), animais e natureza, e insiste-se na ideia que na demanda desse estado edénico exista a possibilidade de se entender toda a disfunção do mundo.

A linha dramatúrgica da peça apoia-se numa viagem virtual que parte do norte de Portugal, segue para o Norte de África, Palestina, Síria, Iraque, Irão. Nesta viagem ao início de tudo, compilam-se etnografias de um imaginário do passado — pessoal, histórico e ficcional — destroem-se e constroem-se visões para os nossos paraísos futuros.


Mais informações no evento do Facebook.