Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Os Professores

Um marco importante da actividade Matemática em Coimbra é o das personalidades que por aí passaram. Paasemos em revista algumas delas:

JOSÉ MONTEIRO DA ROCHA (1734-1819), estudou no Colégio jesuíta da Bahía, Brasil, e foi o principal responsável pela redacção dos Estatutos da nova Faculdade de Matemática. Organizou o Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra e traduziu para português livros de Bezout, Bossut e Marie. A sua obra científica concentra-se nas áreas de Métodos Numéricos e Astronomia. No trabalho "Additamentos à Regra de M. Fontaine para resolver por aproximação os problemas que se reduzem às Quadraturas", publicado nas Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, apresenta métodos de aceleração da convergência da fórmula de integração aproximada de Fontaine, que, segundo Tiago de Oliveira[1] , é a fórmula extrapolatória de Richardson; esse trabalho ainda apresenta outras fórmulas de majoração do erro da aproximação e trata do caso dos integrais impróprios. Outro trabalho de Análise Numérica diz respeito ao problema da determinação aproximada do volume de um tonel, proposto por Kepler (é o trabalho com que se iniciam as Memórias da Academia das Ciências de Lisboa[2]). Monteiro da Rocha escreveu vários trabalhos de Astronomia, muitos dos quais foram editados em França com o nome de "Mémoires d'Astronomie Pratique" (Paris, 1808) com tradução de Manuel Pedro de Mello. Um dos mais importantes diz respeito à determinação prática das órbitas parabólicas dos cometas[3] , descoberto antes de Olbers, a quem é atribuído. Outro trabalho, elogiado por Delambre, diz respeito à previsão dos eclipses do Sol. O método de Monteiro da Rocha para a determinação prática de longitudes, foi analisado e aplicado por Francisco de Paula Travassos, que foi primeiro Lente de Matematica em Coimbra e depois Lente na Academia Real de Marinha.

JOSÉ ANASTÁCIO DA CUNHA (1744-1787) escreveu um tratado, "Principios Mathematicos", onde pretendia fornecer bases rigorosas a toda a Matemática da época; aí se encontra pela primeira vez, com um rigor notável, a definição de série convergente, a definição da função exponencial a partir da sua série de potências, e a de diferencial de uma função. Infelizmente o seu livro, apesar de ter tido duas edições em língua francesa, foi pouco lido e não parece ter influenciado grandemente o desenvolvimento da matemática. Escreveu ainda um "Ensaio sobre os principios da Mecânica" onde defende uma perspectiva axiomática para a Mecânica, e outras obras que se perderam na sua quase totalidade.

MANUEL PEDRO DE MELLO (1765-1833), aluno de José Anastácio da Cunha, foi o primeiro professor de Hidráulica da Universidade de Coimbra para o que se preparou realizando uma visita de estudo pela Europa; no seu curso seguiu, entre outros, o livro de Mecânica dos Fluidos de Poisson; o trabalho mais importante que escreveu, e que se perdeu, foi a "Memoria sobre o programma da demonstração do parallelogrammo das forças", escrito para um concurso muito concorrido da Academia Real das Ciências de Copenhague em 1806 tendo ganho o respectivo prémio.

FRANCISCO DE PAULA TRAVASSOS (1764-1833) foi Lente substituto da Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra até 1799, data em que publicou o trabalho “Ensaio sobre brachistochronas e reflexões[4]. Foi depois Lente da Academia Real de Marinha de Lisboa, tendo publicado vários trabalhos de Astronomia e Geodesia, nomeadamente análises e aplicações de trabalhos de Monteiro da Rocha.

FRANCISCO DE CASTRO FREIRE publicou obras didacticas e históricas de que a mais conhecida é a "Memoria Historica da Faculdade de Mathematica" que fornece um excelente panorama do desenvolvimento da matemática em Portugal até 1872.

RODRIGO RIBEIRO DE SOUSA PINTO (1808-1893) foi Director do Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra, membro da Academia das Ciências de Lisboa, e publicou inúmeros trabalhos de Astronomia. O mais conhecido, “Cálculo das Ephemerides,” de 1849 deu base sólida ao cálculo das efemérides astronómicas tendo feito subir de tal modo o nível das publicações anuais em Coimbra com as efemérides que a Academia das Ciências de Lisboa decidiu deixar de publicar, a partir de 1863, as que editava.

LUIS DA COSTA E ALMEIDA doutorou-se em 1862 com uma tese de equações diferenciais intitulada “Apreciação das hypotheses physicas em que se tem fundado a theoria das refracções atmosféricas“, publicou em 1870 o texto “Exposição succinta dos principios fundamentaes do calculo das variações”, em 1883 o texto “Primeiras noções da theoria dos determinantes”(1883),  e publicou artigos sobre equações de derivadas parciais e suas aplicações à mecânica e artigos expositórios. Foi ainda presidente da Câmara de Coimbra, Director da Faculdade de Matemática e membro do Conselho Superior de Instrução Pública.

FRANCISCO GOMES TEIXEIRA (1851-1933) doutorou-se em 1875 com uma tese intitulada “Integração das equações de derivadas parciaes de 2ª ordem“. Logo como aluno publica dois trabalhos: “Desenvolvimento das funções em fracções contínuas”(Coimbra, 1871) e “Aplicação das fracções contínuas à determinação das raízes da equações” (no “Jornal de Sciencias Mathematicas, Physicas e Naturaes” da Academia das Ciências de Lisboa, tomo 4, 1872-1873). Foi nomeado Lente substituto da Faculdade de Matemática em 1876 e catedrático em 1879. Fundou em 1877 o “Jornal de sciencias mathematicas e astronomicas“ que se publicou até 1905. Em 1883 transferiu-se para a Academia Politécnica do Porto, onde continuou a sua obra notável sendo ainda hoje um dos matemáticos portugueses mais conhecido no estrangeiro.

JOSÉ BRUNO DE CABEDO (1860-1921) doutorou-se em 1884 com uma tese intitulada “Integração das equações canónicas do movimento“(1884) e a dissertação de concurso para professor em Coimbra foi “Primeiras noções sobre a teoria das funcções uniformes”(1885); publicou oito artigos no Jornal de Sciencias Mathematicas e Astronomicas como “Sobre a formula de Taylor”(1886),  “Sobre o resto da formula de Taylor”(1891),  “Sobre os coeficientes da serie de Fourier” (1896),  e publicou ainda na revista Mathesis (Gand) o artigo “Sur le développement des fonctions en série” (1890).


LUCIANO PEREIRA DA SILVA (1864-1926), doutorou-se em 1889 com uma tese, “Pressões desenvolvidas no interior de liquidos em movimento“, onde estuda trabalhos de Kleitz e Boussinesq. É mais conhecido pela sua vasta obra sobre a História dos Descobrimentos, tendo em particular estudos sobre Pedro Nunes. É menos conhecida a sua actividade de actuário[5] : foi o responsável pelos primeiros Estatutos aprovados oficialmente da companhia Portugal Previdente, e foi um dos autores do trabalho “Bases Técnicas das Companhias portuguezas de seguros de vida”editado em 1909 pela Imprensa da Universidade de Coimbra.

FRANCISCO MIRANDA DA COSTA LOBO (1864-1945), doutorou-se em  1885 com uma tese intitulada "Resolução das equações indeterminadas". Foi director do Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra entre 1922 e 1934, ano da sua jubilação. Foi o responsável pela instalação do Espectroheliógrafo no Observatório e foi o fundador das observações solares que continuam até ao presente, pelo que é um dos pioneiros da Astrofísica em Portugal. Gomes Teixeira elogiou o “excelente opúsculo” sobre a história da Astronomia que publicou para Exposição Universal de Sevilha. Foi membro da Academia de Ciências de Lisboa, da Royal Astronomical Society, da Real Academia das Ciências de Madrid e do Bureau des Longitudes de Paris. Recebeu a Medalha de Ouro da Academia das Ciências de Paris. Apresentou comunicações nos Congressos da União Matemática Internacional de 1920 em Estrasburgo e de 1924 em Toronto.

JOSÉ VICENTE GONÇALVES (1896-1985), começou a leccionar na Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra em 1917 e doutorou-se em 1921 com uma tese, “Sobre quatro proposições da teoria das funções inteiras“, onde melhora os resultados do livro “Leçons sur les fonctions entières” de Emile Borel. Foi professor em Coimbra até 1942, ano em que se transfere para a Universidade de Lisboa onde leccionou até se aposentar em 1967. É autor de mais de uma centena de publicações, entre trabalhos de investigação e livros didácticos para o ensino secundário e superior.

O perfil destas 12 personalidades matemáticas que fizeram a sua carreira matemática na Universidade de Coimbra ou que por aí passaram uma parte da sua vida profissional, mostra que o período em estudo foi fecundo na formação de matemáticos que muito enriqueceram o património nacional.

 

[1] OLIVEIRA, Tiago de, Obras, vol. II, 1995, p. 142.
[2] Tomo 1 (1787-1788), pp. 1-36, 1797.
[3] publicado no tomo II das Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, 1799, pp. 402-479.
[4] Memórias da Academia Real das Ciências, 1ª série, pp. 3-16.
[5] Deve também se referida neste contexto a carta de Luciano Pereira da Silva (de 1912) reproduzida no nº 26, 1945, da revista “Gazeta de Matemática” sobre o ensino da teoria matemática dos seguros na Alemanha. Aí é referido que Sidónio Pais, enquanto Vice-Reitor, fez uma proposta de criação de um curso de Estatística e de um curso de Matemática dos Seguros, o que não foi aprovado.