Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Breves

Boaventura de Sousa Santos condecorado pelo governo brasileiro

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos foi agraciado pelo governo brasileiro com a Gran-Cruz da Ordem do Mérito Cultural de 2009, condecoração entregue numa cerimónia que decorreu no Rio de Janeiro, a 25 de Novembro último. No discurso de aceitação da condecoração, então lido, Sousa Santos referiu-se-lhe como sendo “uma das surpresas mais agradáveis da minha vida profissional”, além de salientar a importância da permanência na favela do Jacarezinho, durante alguns meses de 1970, a propósito da preparação da sua tese de doutoramento. Essa acção possibilitou-lhe contactar com uma realidade que viria a marcar o seu percurso pessoal: “aprendi no Jacarezinho que há muito conhecimento para além do que é produzido pelos académicos e muita sabedoria vinda daqueles que a sociedade considera analfabetos.”

Atribuída a personalidades e instituições pelas suas contribuições à cultura brasileira e mundial, este galardão foi criado em 1995 e é a mais alta insígnia atribuída pelo governo brasileiro. Personalidades como o arquitecto Óscar Niemeyer ou o escritor Jorge Amado são alguns nomes já distinguidos, numa lista onde podem encontrar-se ainda o filósofo Agostinho da Silva e Maria João Bustorff, ex-ministra da cultura.

Director do Centro de Estudos Sociais (CES) e do Centro de Documentação 25 de Abril, instituições da Universidade de Coimbra, na sua actividade enquanto sociólogo Boaventura de Sousa Santos é um dos principais promotores e participantes do Fórum Social Mundial, e tem trabalhado com várias instituições académicas e estatais brasileiras, tendo desenvolvido esforços com vista à fundação do Observatório da Justiça Brasileira, estrutura criada na sequência de contactos entre o Observatório Permanente da Justiça Portuguesa, sedeado no CES, e o Ministério da Justiça Brasileira. Por outro lado, “uma parceria entre o CES e a Universidade Federal de Minas Gerais contribuiu para a criação do CES-América Latina, instituição científica inspirada no modelo do CES-Coimbra, e para o estabelecimento do primeiro doutoramento internacional do CES”.

Ao longo da sua carreira acumulou vários prémios e distinções, atribuídos por órgãos de soberania e instituições portuguesas, brasileiras, venezuelanas e mexicanas. Em 2009 foi igualmente distinguido com o Prémio Adam Podgórecki, atribuído pela Associação Internacional de Sociologia.

Actualmente é catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e professor visitante da Universidade de Winsconsin-Madison, da London School of Economics, da Universidade de São Paulo e da Universidade de Los Andes.

Departamento de Arquitectura da UC reflectiu sobre a Alta de Coimbra

Com o objectivo de promover a reflexão e o debate em torno de distintas hipóteses de transformação do tecido urbano da Alta de Coimbra, o Departamento de Arquitectura, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, foi responsável pela exposição “Visões Urbanas para a Alta de Coimbra” que, entre 29 de Outubro e 8 de Dezembro de 2009, esteve patente na Sala de Exposições Temporárias do Museu Nacional de Machado de Castro.  Partindo da proposta dos docentes do Curso de Mestrado Integrado de Arquitectura, 5.º Ano, Projecto V, Rui Lobo, João Paulo Cardielos e Nuno Grande, sob a coordenação de Gonçalo Byrne, um conjunto de desenhos, visões simuladas e maquetas a várias escalas, cujos conteúdos resultaram de propostas académicas desenvolvidas por finalistas do curso, estiveram disponíveis para análise pública. Tendo trabalhado em torno de três vertentes temáticas – a re-funcionalização dos espaços da Alta Universitária; o reenquadramento dos Jardins Urbanos da Alta; a re-funcionalização urbana dos espaços da Penitenciária de Coimbra e do Quartel de Santana, com vista à instalação de um “Cluster Cultural” em Coimbra - procuraram apresentar-se propostas que servissem como ponto de partida para o desenvolvimento de um debate alargado em torno da gestão da cidade e da Universidade.

Nesse sentido, esta mostra motivou igualmente um ciclo de debates – “Cidade e Universidade: Candidatura a Património UNESCO”, “Transformar a Alta Universitária”, “Transformar os Jardins e Espaços Públicos da Alta de Coimbra” e “Transformar a Acrópole da Penitenciária de Coimbra” – que contaram com a participação de personalidades como Fernando Seabra Santos, Raimundo Esteves da Silva, Nuno Ribeiro Lopes, Gonçalo Byrne, Helena Freitas, José Reis e Abílio Hernandez Cardoso, cujas intervenções possibilitaram a articulação de realidades subjectivas, além da justaposição de experiências, sensações e significados diversificados.