Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Lugar dos Livros

Título: Gestão de Workflows. Modelos, Métodos e Sistemas
Autores: Wil van der Aalst, Kees van Hee.
Tradução: Jorge Cardoso
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Série Ensino
Coimbra 2009

Este livro examina a gestão de processos de negócio com o auxílio de tecnologias de informação. Fornece uma sólida base para a Reengenharia de Processos de Negócio (Business Process Re-engineering – BPR) numa perspectiva claramente orientada às tecnologias de informação. Com o aparecimento de software genérico para a gestão de processos de negócio sob a forma de sistemas de gestão de workflow (Workflow Management System – WFMS) surgiu a necessidade de um livro que descrevesse os fundamentos teóricos e práticos da aplicação de tecnologia de workflow.


Título: Mudanças no Uso do Solo no Interior Centro e Norte de Portugal
Autores: António Campar de Almeida, Adélia Nunes, Albano Figueiredo
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Série Investigação
Coimbra 2009

No Interior Centro e Norte de Portugal desencadeou-se, nas últimas décadas do século passado, um fenómeno de acentuado abandono agrícola, com importantes alterações na ocupação e cobertura vegetal do solo. Essas mudanças devem-se, principalmente, ao processo de esvaziamento demográfico das áreas rurais, em consequência do enorme surto migratório, mas também à retirada de terras de produção (set-aside), favorecida pela Política Agrícola Comum. Os principais objectivos deste livro centram-se na avaliação das consequências resultantes do abandono dos campos de cultivo ao nível do coberto vegetal, resposta hidrológica (escoamento superficial vs infiltração) e erosão de solos.


Título: A Crise Financeira Internacional
Autores: Fernando Alexandre, Ives Gandra Martins, João Sousa Andrade, Paulo Rabello de Castro, Pedro Bação
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
N.º 2 da Colecção Estado da Arte
Coimbra 2009

A crise financeira iniciada em 2007 é uma crise excepcional e que suscitou medidas excepcionais para o nosso tempo, como a nacionalização de bancos. Depois de um período de liberalização da economia, guiada pela fé na capacidade auto-reguladora dos mercados, o Estado foi chamado a intervir em grande escala para salvar o sistema financeiro do colapso e para combater a mais grave recessão económica desde os anos 30. No entanto, é preciso não esquecer que, nesta crise, as falhas do mercado foram também falhas do Estado, que em muitos casos optou por se manter alheado de muitos dos desenvolvimentos que estiveram na origem da crise financeira.
É uma discussão sucinta e rigorosa das circunstâncias que conduziram à crise que o leitor encontrará nesta obra (inserida numa nova colecção de livros de bolso da IUC).
A discussão das causas desta crise é um desafio intelectual fascinante, que irá certamente marcar a agenda da investigação económica nos próximos anos, à semelhança do que aconteceu com a crise de 1929.

Título: Campos de Concentração em Cabo Verde. As Ilhas como Espaços de Deportação e de Prisão no Estado Novo
Autor: Victor Barros
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra
Colaboração: CEIS20
3.º volume da Colecção História Contemporânea, dirigida por Maria Manuela Tavares Ribeiro.
Coimbra 2009

Na tradição histórica da prática do desterro de presos políticos para os destinos insulares encontramos o fundamento e a definição da ideia de ilha como espaço adequado para o banimento dos condenados. Mais do que dar continuidade ao desterro, o modelo repressivo do Estado Novo estrutura de forma metódica a prática da deportação política dos seus opositores, sob a lógica repressiva do desterro e prisão no local do mesmo.
O presente trabalho traz-nos um mapeamento dos diferentes destinos de deportação e prisão política, centrado fundamentalmente nas ilhas onde ficaram celebrizadas a encenação e a materialização desta prática, desde as referências sobre a prisão para deportados políticos na ilha de São Nicolau (1931) até à imposição repressiva do Campo de Trabalho de Chão Bom (1961-1974), na ilha de Santiago, na sequência da contestação anticolonial.
Fortemente ancorado na descodificação dos diferentes momentos e discursos que legitimavam esta prática política, este estudo analisa a problemática do desterro e da prisão no local de desterro como um dos dispositivos da grande panóplia repressiva do Estado Novo. Esta obra foi distinguida na Universidade do Minho com uma Menção Honrosa no Prémio de História Contemporânea Victor de Sá, na sua edição de 2008.

Título: Correspondência Latina
Autor: Damião de Góis. Tradução e edição crítica do texto latino de Amadeu Torres.
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Volume IX da colecção Portugaliae Monumenta Neolatina
Coimbra 2009

O epistolário de Damião de Góis inclui um número avultado de cartas latinas trocadas com cerca de 30 figuras da maior importância cultural, social e política da Europa de Quinhentos (humanistas, com Erasmo à cabeça, bispos, cardeais e papas), em resultado dos seus contactos e convivência de humanista e de embaixador cosmopolita ao serviço de Portugal.


Título: Vamos Cuidar da Terra
Autoras: Anabela Marisa Azul, Catarina Schreck Reis, Helena Freitas
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra
Colecção Descobrir as Ciências
Coimbra 2009

Vamos cuidar da Terra é dirigido a crianças em idade escolar (entre os 5 e os 10 anos) e tem como objectivo principal despertar a curiosidade dos mais pequenos para a temática das alterações climáticas.
As descobertas e conhecimento ajudarão a explicar conceitos e fenómenos, tomar decisões e desenvolver uma atitude pró-activa em relação ao mundo em que vivem. Este livro encontra-se dividido em três secções principais. A primeira secção explica os conceitos de efeito de estufa, de tempo e de clima.
A segunda secção incide, por um lado, sobre os fenómenos que contribuem para o aquecimento do clima a nível global e as alterações climáticas e, por outro, sobre os impactes que as acções comuns do dia-a-dia podem ter no funcionamento global da Terra. A terceira secção aponta medidas ao alcance de todos para cuidarmos melhor da Terra. Os temas são apresentados de forma clara e têm associadas actividades e experiências de fácil execução.

Título: Músicas do Mundo
Autor: José Braga
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
N.º 3 da Colecção Estado da Arte
Coimbra 2009

“Como é musical este planeta… tal poderia ser o mote a presidir ao espírito deste livrinho. E, sem pretensões de espécie alguma, gostaríamos de ver nele um pequeno estímulo para o leitor se atrever a dar o passo seguinte: arranjar maneira de ouvir estas músicas que nem um milhão de palavras conseguirá alguma vez definir… Músicas do Mundo não é uma enciclopédia, apesar do título propositadamente vago e sem fronteiras. Músicas do Mundo é uma introdução a um quebra-cabeças cuja resolução-audição oferece um mundo de surpresas gratificantes. Músicas do Mundo é um princípio possível para uma viagem sonora por territórios aqui esboçados e por outros apenas imaginados. Boa viagem!” (texto de apresentação do Autor).

Título: Guia Ilustrado das Macroalgas
Autor: Leonel Pereira
Edição: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Colecção Natura Naturata
Coimbra 2009

Em Portugal, apesar do reconhecimento do potencial e da importância do sector das algas marinhas, as actividades em domínios ligados à ficologia (ciência que estuda as algas) são ainda de reduzida dimensão e inferiores ao desejável e necessário. No entanto, vários estudos feitos por ficologistas e por organizações governamentais ligadas à indústria têm identificado inúmeras espécies que podem constituir um importante recurso natural em Portugal. Este guia tem como objectivo ajudar a conhecer melhor estes “vegetais marinhos” e, assim, promover o seu uso nas suas diversas facetas: a sua biodiversidade, como fertilizante agrícola, na alimentação e ainda nos seus múltiplos usos industriais.


Título: Outubro
Autor: Rui Bebiano
Edição: Angelus Novus
Coimbra 2009

A Revolução de Outubro não representa apenas aquele episódio datado que na velha Rússia recém-liberta do domínio dos czares levou Lenine e os bolcheviques ao assalto do poder: permanece também como sinal de esperança que nem mesmo a perversão e a derrocada do “socialismo real”, e a acelerada transformação do mundo que se lhe seguiu, foram capazes de apagar. Enquanto sinal de utopia, mobiliza as capacidades do ser humano para traçar colectivamente um mundo alternativo, desejavelmente melhor. Importa salientar que este livro retoma, com aperfeiçoamentos e curtas adendas, um conjunto de textos escritos e publicados no blogue pessoal A Terceira Noite (aterceiranoite.wordpress.com).

Título: Dicionário Internacional da Outra Economia
Coordenação: António D. Cattani, Jean-Louis Laville, Luiz I. Gaiger, Pedro Hespanha
Edição: Almedina/CES
Coimbra 2009

O Dicionário visa divulgar alternativas à economia capitalista. Autores de três continentes abordam os fundamentos e as modalidades da outra economia ou os marcos históricos do pensamento alternativo, além de assuntos mais específicos, relacionados com as empresas recuperadas, as redes de colaboração solidária, as finanças solidárias, a responsabilidade social e o comércio justo. Espera-se, assim, contribuir para esclarecer os limites e as deficiências do sistema económico dominante. Quando se reconhece a existência de formas distintas de produzir e (con)viver, percebe-se a presença – resistente ou emergente – de outras economias que participam de um mundo mais justo e solidário.