a carregar...

UC.PT

Semana Cultural

Semana 4 | 20 a 26 de março

20 SEG |21 TER |22 QUA | 23 QUI | 24 SEX | 25 SÁB

20 mar | SEG

16:00 | Galeria do DArq

JE EST UM AUTRE

A construção da subjetividade. Exposição de trabalhos dos alunos de Desenho II do MIA e de Estudos de Composição do MDM em torno do auto-retrato e da auto-representação.
Docentes de Desenho II do Curso de Arquitetura da FCTUC: Pedro Pousada e Nuno Correia; Docentes MDM: Alice Geirinhas e José Maçãs de Carvalho


ORGANIZAÇÃO:
Departamento Arquitetura da FCTUC

Dias 20 a 24 [SEG-SEX] | das 13h00 às 20h00 | República da Praça

EXPOSIÇÃO – “QUEM (NÓS) SOMOS?”

Carolina Sepúlveda, fotógrafa em ascensão, natural de Porto de Mós, mostra-nos a sua perspetiva, baseado no tema “Quem (nós) somos?”. Também a ocorrer simultaneamente estarão várias exposições disponíveis, que se complementam com a temática e com a República da Praça, convidando o público-alvo a conhecer um pouco mais da sua história.

ORGANIZAÇÃO: Uma parceria entre República da Praça e Carolina Sepúlveda

21 mar | TER

17:00 | Anfiteatro do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra

21:30 | Teatro-Estúdio Bonifrates – Casa Municipal da Cultura de Coimbra

«SOMOS OS POEMAS QUE DIZEMOS»

Apresentação pelos Jograis da Bonifrates de textos poéticos de autores portugueses e estrangeiros e composições da tradição oral portuguesa, porque os poemas que dizemos são o nosso ADN.

Nome dos participantes: João Gouveia; José António Franco; José Manuel Carvalho; Margarida Caramona; Paulo Pratas

ORGANIZAÇÃO: Bonifrates, Cooperativa de Produções Teatrais e Realizações Culturais C.R.L; Jograis da Bonifrates; Museu da Ciência de Coimbra

http://www.bonifrates.com/

21h30 | Teatro Paulo Quintela 

POETAS SOMOS

À pergunta “Quem somos?”, “Poetas somos” procura organizar uma resposta em torno da identidade de Portugal e da identidade de Coimbra como “terra de Poetas” e pretende mostrar que, desde a poesia trovadoresca medieval até à poesia contemporânea, as Palavras dos Poetas têm dado expressão e voz aos temas fundamentais da nossa identidade.

ORGANIZAÇÃO: Oficina de Poesia e Teatro “Os ControVersos “ da Associação ReCriar Caminhos

www.recriarcaminhos.pt

17h00 | Sala de Seminário Piso 3 – Colégio da Graça

GUERRAS DA MEMÓRIA 2 – GUERRA COLONIAL E O ANTI-COLONIALISMO

[Integrado no ciclo de seminários abertos Guerras da Memória. Participação de: Diana Andringa, Miguel Cardina e Bruno Sena Martins.]

ORGANIZAÇÃO: CD25A em colaboração com o CES

21H30 | TEATRO DA CERCA DE SÃO BERNARDO

OPERAÇÃO ANGOLA FUGIR PARA LUTAR

de Diana Andringa

Projeção do filme, seguida de debate com a presença da realizadora.

[iniciativa realizada no âmbito do seminário Guerras da memória 2 – Guerra colonial e o anti-colonialismo]

ORGANIZAÇÃO: CD25A com apoio do TCSB

22 mar | QUA

9h30-19h00 | FLUC (Anf. IV)

IDENTIDADE(S)

As universidades tiveram sempre um papel chave na circulação do saber e dos saberes. Por isso, elas fazem parte integrante da História da Europa. Como têm contribuído elas para a reflexão sobre a “identidade cultural europeia”?

Pelo percurso etimológico do termo universidade, poder-se-á reconhecer nele elementos que constroem a europeanidade sob o ponto de vista histórico-cultural e comunitário. O termo moderno de universidade contempla a uni-diversidade, a unidade das particularidades.

Não é também a Universidade o lugar em que Portugal, Europa, o Mundo são pensados e em que se questiona a cultura e os saberes? A noção de universitas deve entender-se não em termos absolutos de pretensão universal, mas em termos relativos de interação dialógica aberta. Se a pertinência da universidade é indiscutível, pode refletir-se sobre a impertinência da questão da(s) identidade(s)?

Que universidade? Que identidade? Que cultura? Que outras identidades? Quer-se neste encontro científico uma reflexão a um tempo crítica e auto-crítica.

Luís Reis Torgal (FLUC/CEIS20) Que Universidades? Que Identidades?

Ana Cristina Araújo (FLUC/CHSC) Ritos e símbolos de Portugal Moderno: uma perspetiva de História Global

Josefina Cuesta (US) Historia de las Mujeres en las Universidades Españolas. Comparación con universidades portuguesas

Maria Esther Martínez Quinteiro (US) Universidades e Liberalismo

Jean-Yves Mollier (UVSQ)Des racines gauloises au millenaire capetien, la France face a la reconstruction de son recit national aujourd’hui

Hipólito de la Torre Gomez (UNED)Portugal: las fronteras de una vieja identidad nacional

Sérgio Campos Matos (FLUL/CH)Identidades geopolíticas transnacionais no 1º quartel do século XX: hispano-americanismo, luso-brasileirismo, latino-americanismo

Georges Contogeorgis (U. Panteion) L'université de 21ème siècle. Du savoir ‘national’ au savoir ‘universel’

Coordenação: Maria Manuela Tavares Ribeiro

ORGANIZAÇÃO: Grupo de Investigação Europeísmo, Atlanticidade e Mundialização – CEIS20 e DHEEAA

14h00-18h00 |FLUC

CICLO DE ESTUDOS - A IDENTIDADE DO PODER RELIGIOSO: CORES, SÍMBOLOS, EMOÇÕES

visa problematizar o Poder Religioso, descodificando os seus elementos materiais e imateriais, estéticos e emocionais. Nesta medida, a proposta adota uma perspetiva metodológica que concilia a história institucional com a análise das expressões artísticas, simbólicas ou emblemas religiosos, e procura analisar o caso português tomando como base de estudo formas de poder religioso na Universidade de Coimbra, num confronto com outras expressões de autoridade, tanto laicas como religiosas, desenvolvidas nos rituais do espaço urbano/diocesano/metropolitano conimbricense. O ciclo de estudo contempla quatro comunicações que serão proferidas por investigadores do CHSC e/ou docentes da FLUC e que abordam as seguintes temáticas:

José Pedro Paiva, “Os autos da fé inquisitoriais em Coimbra"; 

Saul Gomes, “ A Procissão na Cidade”; 

Maria do Rosário Morujão “Selos e escudos de armas: símbolos identitários e do poder religioso”; 

Paola Nestola “«Com grande solenidade & muitas lágrimas…»: ênfase litúrgica e dramaturgia do poder e da jurisdição episcopal (séc. XVI-XVIII)”.

Exposição documental sobre expressões do poder religioso entre os sécs. XIII e XVIII. 

Coordenação: Paola Nestola

ORGANIZAÇÃO: Centro de História da Sociedade e da Cultura (FLUC)

21h30 | Casa das Artes Bissaya Barreto

CINEMA SOS – MYSTERIOUS SKIN (2004), 105min

Cinema SOS é um espaço onde arte e discussão encontram-se para promover a reflexão e o pensamento crítico sobre si, o outro e o mundo. Nesta sessão, apresentamos o filme “Mysterious Skin" de Gregg Araki, seguido de debate sobre o filme e o tema da Pedofilia.

ORGANIZAÇÃO: SOS Estudante

23 mar | QUI

21h30 | TAGV

PASSA-PORTE

Depois do espetáculo Portugal Não é um País Pequeno, André Amálio e a companhia Hotel Europa continuam o seu trabalho sobre o fim do colonialismo português com Passa-Porte. Este espetáculo de teatro documental centra-se nas independências das antigas colónias portuguesas de Angola e Moçambique, e em todas as alterações de nacionalidade que afetaram as pessoas que viviam nesses países africanos. Passa-Porte retrata através de testemunhos reais estes eventos históricos e os relatos daqueles que fugiram da violência decorrente do fim do colonialismo ou do início da guerra civil em Angola. Revela também histórias dos que escolheram ficar nos países independentes e que acreditavam na construção de novos países depois de quase 500 anos de colonialismo. Este espetáculo reflete também a forma como o Estado e a sociedade portuguesa olharam para estas pessoas e as consequentes mudanças feitas na lei da nacionalidade em 1975 para escolher quem poderia ser considerado português.

Criação: André Amálio | Cocriação e interpretação: André Amálio, Selma Uamusse, Tereza Havlickova | Movimento: Tereza Havlickova | Interpretação musical: Selma Uamusse Espaço cénico: André Amálio e Tereza Havlickova | Colaboração: Pedro Silva | Desenho de luz: Carlos Arroja | Produção: Hotel Europa | Coprodução: Maria Matos Teatro Municipal Apoio: Fundação GDA apoio à residência: Alkantara e O Espaço do Tempo

24 mar | SEX

21h30 | Teatro-Estúdio CITAC [Edifício AAC]

iDESTILAÇÃO

Pretendemos ser quem somos, saber de onde vimos e ir aonde queremos chegar. Mas... podemos realmente saber quem somos? Julgamos saber de onde vimos, mas serão as histórias factuais? Através destas perguntas nos aventuramos neste projecto, criado sobre esboços dos alicerces da civilização que, através da interação com o público questiona de que forma estes nos abrem ou fecham caminhos.

Repete a 25 e 26 de março

Organização/Produção/Representação: Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra – CITAC

25 mar |SÁB

14h30 | Faculdade de Medicina da UC, Subunidade 3

FORUM- ENVELHECIMENTO: ÁREA ESTRATÉGICA DE INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

A Região Centro de Portugal, com Coimbra como pólo estratégico, é uma das 32 regiões de referência para o Envelhecimento Ativo e Saudável reconhecidas pela Comissão Europeia, a única em Portugal. O fórum terá como objetivo apresentar o programa do projecto ERA Chair, financiado recentemente pela Comunidade Europeia, e discutir a estratégia da UC e da região Centro na área do envelhecimento.

ORGANIZAÇÃO: FMUC e UC | http://mia-portugal.org/index.php/era-chair

15h00 | ETA da Boavista (Coimbra)

As profissões da água

Hoje, abrir uma torneira é um gesto tão simples que o consumidor nem sempre tem consciência da multiplicidade de atividades necessárias à gestão do ciclo urbano da água. Pretendemos, assim, destacar os vários profissionais que trabalham diariamente para um ambiente melhor, para servir a população com uma água de qualidade e quantidade, salvaguardando a saúde pública.

A Águas do Centro Litoral abre, assim, as suas portas à população, por ocasião do Dia Mundial da Água, para mostrar “quem nós somos”. Os visitantes podem (mediante inscrição prévia) ficar a conhecer como funciona a estação de tratamento de água (ETA) da Boavista e os profissionais que trabalham diariamente para garantir uma água de qualidade.

Inscrições através de email: visitas.adcl@adp.pt

ORGANIZAÇÃO: Águas do Centro Litoral

www.aguasdocentrolitoral.pt