a carregar...

UC.PT

Semana Cultural

Edições anteriores



A Semana Cultural da Universidade de Coimbra ramifica em várias direções a celebração do Dia da Universidade, que todos os anos se comemora a 1 de Março. Pretende, essencialmente, dar a conhecer ao exterior as múltiplas atividades desenvolvidas na Universidade de Coimbra (UC), integrando-as numa convocação comum e conjugando-as com uma programação diversificada em várias áreas culturais.

Começou em 1999 por ser uma “mostra” da cultura na Universidade, mas gradualmente foi estabelecendo novas parcerias e abrindo a programação à participação de entidades externas de forma cada vez mais significativa, sendo agora uma iniciativa que extravasa claramente a UC, estendendo-se à cidade, ao país e além-fronteiras. A comunidade absorveu cabalmente o sentido desta convocação, aderindo com propostas abertas e enriquecedoras e concretizando uma sequência de iniciativas científicas, culturais e artísticas que se pretendem complementares e integradas.

O atual figurino da Semana Cultural da UC, que começou a ser temática a partir do ano de 2004, estende-se também temporalmente para além do limite da “semana”, oferecendo mais de uma centena de atividades, incluindo conferências, colóquios, mesas-redondas, lançamento de livros, espetáculos de teatro, de cinema, de música, de dança, exposições etnográficas, documentais e de artes plásticas, mobilizando milhares pessoas. Os públicos são muito diversificados, desde a infância à “idade dourada”... Muitas das iniciativas da Semana Cultural prolongam-se no tempo, chegando alguns eventos posteriormente a fazer digressão dentro e fora do país.

No início de Março, dá-se assim corpo e alma a atividades que se pretendem vivas e motivadoras, marcadas por múltiplos e variados cruzamentos. Cruzamentos entre as atividades propostas pela programação externa e aquelas que surgiram internamente, cruzamentos entre colóquios científicos, espetáculos e exposições, cruzamentos entre a Universidade e a cidade que a acolhe, e, sobretudo, cruzamentos entre as pessoas, os artistas e os públicos. É essa a animação que se espera; é essa, sobretudo, a festa.



Temas

Nas 5 primeiras edições, entre 1999 e 2003, a celebração anual da cultura na UC não era temática, pelo que não consta esse período desta listagem.



2017

Quem somos?

A Universidade de Coimbra é hoje o resultado do encontro de uma história de mais de sete séculos com os sonhos de futuro, tendo sempre presente a procura e transmissão do conhecimento.

Nesta 19ª SEMANA CULTURAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA vai à procura pelo conhecimento que faz parte da identidade da Universidade, querendo acrescentar camadas ao que somos.



2016

O LIVRO

No princípio, era o conhecimento

O livro como veículo de conhecimento por excelência conhece na contemporaneidade novas materialidades, numa renovação permitida pela novidade que sempre pode habitar os vários patrimónios. Esta renovação manifesta-se também nas possibilidades de cruzamento da matéria literária com outras artes, cruzamento como inspiração do programa da 18ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra



2015

A 17ª Semana Cultural da UC decorreu de 1 de março a 1 de maio e esta edição inserida, nas comemorações dos 725 anos da Universidade. O tema foi TEMPO DE ENCONTRO(S).

Pretendeu-se promover o encontro, desde logo, com a história da própria Universidade, num presente que se ocupa do passado para projetar o futuro.



2014

A 16ª edição da Semana Cultural da Universidade de Coimbra teve como mote, “REDES”.

Celebrava-se, desde logo, a rede que agora une a Universidade de Coimbra (Alta e Sofia) aos outros sítios, espalhados pelo globo, considerados pela UNESCO como Património Mundial. Mas também a imbricada rede intercultural na qual se tece a história da cidade de Coimbra. Associando-se também à festa dos 40 anos da Revolução dos Cravos e às redes da contemporaneidade, com destaque para a World Wide Web.



2013

SER DE ÁGUA, mote da 15ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra propunha fundamentalmente, uma reflexão sobre o essencial. Desde logo no sentido de origem, a que a água está associada, e à simplicidade que está na base de todos os sistemas complexos. Molécula simples onde a vida terá tido o seu começo mais ancestral, mas onde cada vida se desenvolve ainda desde o seu início.

Ser de água é, neste contexto, focar no essencial, pensar as origens, revisitar os territórios – em todos os sentidos.



2012

Com Navegar é Preciso, Viver não é Preciso |?|, a UC antecipou-se e associou a celebração ao ano de Portugal no Brasil e do Brasil em Portugal. A ideia que presidiu à escolha do tema relaciona-se com a própria viagem, explícita e implícita, na expressão. Fernando Pessoa intitula um dos seus poemas “Navegar é preciso”, defendendo a ideia da obra que transcende o autor. Caetano Veloso canta “Os argonautas” e revisita a expressão no refrão, onde o termo “preciso” adquire o duplo sentido de "necessidade" e de "precisão". Esta aceção plural projeta-se na viagem que transforma os argonautas clássicos em cibernautas contemporâneos e permanece, hoje ainda, sob a forma de uma interrogação: Navegar é preciso, viver não é preciso?

A programação da 14ª Semana Cultural passou a ter uma duração de dois meses, com o pico de eventos entre março e abril, mas projetou-se no tempo, reforçando-se assim o diálogo com a comunidade a que se destina.



2011

Reinventar a Cidade, foi o tema da 13ª Semana Cultural, com a intenção de celebrar a importância contemporânea das cidades, no plano cultural, estratégico, espacial e, sobretudo, celebrar o modo de vida urbano e denso como alternativa verdadeiramente económica, qualificada e sustentável.

Em Março de 2011, o espaço urbano de Coimbra foi, assim, palco do encontro e do cruzamento de todos os espaços, de todos os saberes e de muitas culturas urbanas. Iremos, uma vez mais, preencher a semana com iniciativas culturais, cujo propósito congrega em simultâneo, a celebração da cidade e da Universidade. Usando a programação cultural para afirmar uma cidade mais viva, tolerante, criativa, densa, plural, cosmopolita.



2010

Tendo como tema CAUSA PÚBLICA – o Público e o Mediático, o ano de 2010 celebrou, entre outras efemérides, o centenário da implantação da República Portuguesa e a importância deste momento para a história da Sociedade e da Universidade em Portugal transforma a escolha deste tema numa decisão incontornável.

O mote da 12ª Semana Cultural congregou assim a essência conceptual do universo de representações do domínio público, num mundo em permanente convulsão, bem como as consequentes reflexões que daí poderão advir para as artes, para as ciências e para as humanidades. E nas artes deu-se destaque ao monólogo, coisa pública.



2009

Tendo como tema Velocidade e Movimento, a 11ª Semana Cultural celebrou  em 2009,, entre outras efemérides, o bicentenário do nascimento de Charles Darwin, o centenário do Manifesto Futurista e as quatro décadas do movimento estudantil de 1969. Congregou assim a dinâmica conceptual de um mundo em evolução, um mundo que faz depender a sua existência do devir e que se afasta velozmente de uma condição que também crê como irracional.

Mote que relacionado, algumas marcas do passado, serve, não sem alguma ironia, para nos desafiar a refletir criativamente sobre as expectativas da nossa circunstância contemporânea.



2008

Imaginação, foi o mote para a 10ª Semana Cultural.

A imaginação como abrigo. Abrigos de universos. A universidade como abrigo de universos artísticos. A universidade e os universitários como protagonistas de uma programação que abriga mundos, mundos de artistas e por isso se transforma durante 8 dias num ABRIGO EXTRAORDINÁRIO. O formato imaginado para esta semana assentou num cruzamento intenso entre o universo de cada artista, e a disponibilidade para a criação, por parte destes artistas, de uma relação com o espaço da Universidade, da cidade e com a vida das pessoas que neles vivem. Foi a tecelagem de abrigos imaginativos entre espetáculos, exposições e performances e workshops desenvolvidos por estes mesmos artistas junto do público, cujo resultado se construiu como “momento” de apresentação pública.



2007

Tema escolhido para a 9ª Semana Cultural, “Estou vivo e escrevo sol (A. Ramos Rosa). O ambiente e os direitos humanos no Ano Internacional do Sol.” Comemorou-se o Ano Heliofísico Internacional, associado ao Astro Rei (que é luz, imagem, energia, calor, ambiente) e à exploração do seu fortíssimo valor simbólico: o Sol da Vida, o calor humano, o voluntariado, a cidadania... Acabando assim por nascer um extenso programa das várias ciências às diferentes manifestações culturais.



2006

“De Mar a Mar”, foi o tema escolhido para a 8ª Semana Cultural. Trata-se de um tema de forte identidade nacional, muito amplo do ponto de vista científico e excelente também no plano das práticas e representações culturais e artísticas. Consolidou e ampliou visivelmente a sua programação na cidade e estendendo-a também à região (até ao mar).



2005

Na 7ª edição da Semana Cultural da UC, o tema “Abraço Lusófono”, constituiu um convite a revisitar a lusofonia, no plano da nossa memória, da nossa história presente, dos nossos afectos e emoções e dos nossos caminhos futuros. Foi participada e frequentada por toda a comunidade, incluindo a comunidade estrangeira de língua portuguesa. Um abraço de sons, saberes, e sabores, sem fronteiras, bem entendido, porque a universidade é isso mesmo.



2004

Com “Ciência e Sociedade”, na 6ª Semana Cultural, quis-se refletir o futuro harmónico e sustentado, dependente da existência de uma sociedade informada e culta. Uma sociedade que seja capaz de tomar decisões acertadas sobre a utilização do conhecimento. É também condição cada vez mais natural, o pensamento e a criação cruzarem e conviverem com as ciências e as tecnologias. Tudo isto levou a um conjunto de ricas e variadas manifestações de culturas.