Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

UID/ELT/00759/2013

FCT_horizontal

Acrónimo: CLP

Referência: UID/ELT/00759/2013

Título: Centro de Literatura Portuguesa

Área Científica: Ciências Sociais e Humanidades

Síntese do Projeto: Conforme a sua designação indica, o CLP adota como área de investigação a literatura portuguesa. Configura-se assim uma missão: promover o estudo, a preservação, o conhecimento e de um modo geral a valorização da literatura portuguesa enquanto património e enquanto realidade viva, com acentuação da chamada investigação fundamental. Para cumprir a sua missão, o CLP recorre complementarmente ao contributo de matérias, de instrumentos, de métodos e de teorias que possam ser associados à investigação em literatura portuguesa; compreende-se neste alargamento  estrategicamente orientado o eventual contributo,  em termos comparatistas,  do conhecimento especializado de outras literaturas, com destaque para as chamadas literaturas de língua portuguesa,  bem como o de outras práticas artísticas e de discursos mediáticos. O cumprimento da missão do CLP envolve ainda  o intercâmbio  com instituições congéneres nacionais e internacionais. As  quatro prioridades estratégicas  a seguir enunciadas procuram ajustar-se  à missão do CLP, enquanto unidade de I&D; para os feitos deste documento, as prioridades estratégicas desenvolvem-se em programas temáticos que incorporam as ações de investigação a levar a cabo. Serão essas ações com motivação estratégica que hão de confirmar as prioridades estabelecidas, o que demanda a designação de responsáveis pelos programas, bem como  procedimentos de  avaliação interna de resultados. Assim: 2.1) Património literário: Entendendo-se a literatura portuguesa como efeito sedimentado de um conjunto de manifestações literárias inscritas num tempo muito alargado, entende-se também que é prioritário salvaguardar, no plano da investigação, a feição patrimonial dessas manifestações. Elas devem ser encaradas como parte da nossa memória ou como um ativo simbólico, cuja preservação, estudo e abordagem hermenêutica contribuem decisivamente para o nosso autoconhecimento e  autoidentificação, com óbvias consequências na formação educativa do presente e do futuro. Nesse sentido, os atos de leitura que favorecem a interpretação ou a reinterpretação dos textos ajudam a manter viva aquela feição patrimonial. Para além disso, enquanto manifestações artísticas com componente material (plasmada em livros, manuscritos, coletâneas, objetos e modos de escrita), as práticas literárias carecem de cuidados e de ações de salvaguarda, em especial em dois domínios correlatos: o das edições e o das transferências de suportes. Como parece óbvio, é esta a área estratégica que mais expressivamente distingue o CLP, também tendo em conta o trabalho já realizado ao longo dos anos; 2.2) Língua portuguesa: Postula-se a língua portuguesa como prioridade estratégica, tendo-se em conta a  sua implicação na expressão, na evolução e na configuração histórica e cultural da literatura portuguesa. Sem se confundir com os propósitos nem com as metodologias  próprias dos estudos linguísticos (e em particular dos estudos de linguística aplicada), a opção estratégica pela língua portuguesa conduz, de forma indireta mas consequente, a uma sua valorização, nos planos funcional, simbólico e político, induzida pela investigação em literatura portuguesa. Para além disso, quando se privilegia a língua portuguesa como prioridade, pensa-se ainda em dois campos que lhe estão associados: o campo do ensino, sendo hoje consensual que uma pedagogia da língua equilibrada e aberta às várias dimensões que a comunicação linguística comporta não dispensa o estudo dos textos literários; o campo global da língua portuguesa, também  chamado da lusofonia, uma vez que, para além da literatura nacional (conceito desgastado por pressupostos ideológicos que no passado foram dominantes), a língua portuguesa modula-se e enriquece-se noutros países em que ela é idioma oficial; 2.3) Teoria da literatura: Sendo sabido que, em particular no plano do ensino, o lugar da teoria não corresponde hoje àquele que conheceu durante grande parte da segunda metade do século XX,  é igualmente certo que ela constitui uma matéria de investigação que não pode ser descurada. Obedecendo sobretudo a uma lógica de investigação fundamental, a sua condição de domínio vocacionado para a indagação conceptual, para a problematização epistemológica e para a correlacionação interdisciplinar (para além de outros aspetos que não cabe agora discriminar) confere-lhe um lugar destacado em múltiplas áreas de investigação aplicada. Num centro de investigação em literatura portuguesa, a interação aqui implícita  determina o entendimento da teoria como prioridade estratégica; 2.4) Digital: O advento das tecnologias da informação e da comunicação, bem como a disseminação de ferramentas e de linguagens de processamento digital geraram expectativas e procedimentos  com incidência inevitável na investigação literária e em territórios de pesquisa  lhe estão ligados. Juntam-se a estes desenvolvimentos outros ainda, tendo que ver com dinâmicas de investigação acentuadamente colaborativas, deduzidas das potencialidades da Web 2.0 e do trabalho em rede e dotadas da agilidade própria de dispositivos de armazenamento e de difusão da informação com elevado índice de portabilidade e de mobilidade. O digital (designação aqui abrangente, como é evidente)  orientado para as Humanidades contribui decisivamente para o aprofundamento, para a diversificação e para a projeção societal da investigação em literatura portuguesa,  por exemplo em regime de portal de acesso aberto. As edições de textos, as migrações de dados, as transferências de suportes, a disponibilização da informação em rede, a indagação em torno da chamada literatura digital, a problematização da escrita e da leitura em ambiente eletrónico são alguns dos temas  convocados pela emergência do digital; deduzem-se dessa emergência não só consequências da ordem da materialidade textual e informacional, mas também no que toca a derivados efeitos cognitivos e  reformulações axiológicas. Em qualquer caso, o digital cruza-se com preocupações de natureza patrimonial, com processos e regimes de arquivo, com desenvolvimentos pedagógicos (ensino da língua e da literatura) e, mais alargadamente, com opções de política cultural e linguística, sendo denominador comum a todas estas hipóteses de trabalho um impulso de transferência de conhecimentos para a comunidade.

Investigador Responsável: Doutor Carlos Reis

Programa de Financiamento: Financiamento Estratégico

Instituição Financiadora: FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Data de início: 01-02-2015

Data de conclusão: 31-12-2018

Instituições participantes no Projeto: Universidade de Coimbra.

Custo total elegível (EUR): 232.341,00€

Técnico do Projeto: Ana Luísa Ferreira
Contacto: 239247015