Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO
Destaque

Exposição documental virtual | A celebrar a Páscoa que em nós habita

Nesta exposição, que procura celebrar a Páscoa (e a Primavera, que cremos e queremos que subsista em nós), a Equipa do Arquivo da Universidade seleciona, organiza e divulga, em conjunto, alguns dos seus belos documentos alusivos ao tema, tendo como preceito e critério o facto de abarcarem o evento em diferentes aceções e perspetivas. É um convite ao conhecimento de regras, tradições, tipologias documentais, factos curiosos, entre outros aspetos.
1 abril
Vídeo de divulgação da exposição documental virtual A celebrar a Páscoa que em nós habita
© Arquivo da Universidade de Coimbra


Assim, e em jeito de resumo sinalético, oferecemos como exemplo:

  • a Petição do Padre João Rodrigues, cura da igreja de São Sebastião de Paradela, datada de 12 de novembro de 1694, para erguer uma ermida no sítio onde costumavam ir todos os anos, em procissão, na quinta-feira santa;
  • a carta de Aforamento perpétuo de um quarto de um casal em Enxofães, datada de 30 de junho de 1503, na qual se indica o foro a pagar anualmente e se acrescenta: “polla Pascoa mea escudela de farinha de fogaça”;
  • a indicação do “Scrivam” da Universidade, Manuel Tomás, no Livro da recepta & despesa das rendas da Universidade, datado de 1544, do início dos registos das rendas da Universidade, “per Pascoa de 544”;
  • o registo, no Calendário Académico do ano letivo de 1865-1866, no dia 25 de março, no qual pode ler-se: “Começam as ferias da Paschoa”;
  • a Ordem de Pagamento, datada de 1 de abril de 1659, na qual o Reitor da Universidade solicita o pagamento das propinas que os Estatutos da Universidade ordenavam, aos que serviam na Mesa da Fazenda “pela festa de Pascoa de flores”;
  • o Alvará da Câmara de Coimbra, datado de 10 de julho de 1446, no qual se ordena que os caseiros do Mosteiro de São Jorge não sejam obrigados a ir à feira que se costuma fazer em Coimbra, depois da Páscoa.


Uma vez mais, os documentos ensinam, revelam, recordam e fixam a palavra no tempo. Uma vez mais, patenteamos a nossa dedicação à comunidade, nessa dádiva que aproxima a Páscoa das pessoas, através de documentos e de imagens que “desconfinam” o espírito pascal que está em nós e entre nós.

Que a Páscoa possa ser, assim, vivida alegremente.

É o que deseja o Arquivo da Universidade de Coimbra.


Aceda ao vídeo aqui.

Aceda ao catálogo aqui.

Se pretender, deixe-nos a sua opinião sobre esta exposição, aqui.