Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

PORTUGAL NO SEU MELHOR

José Saramago
30 junho
.
.

No âmbito da iniciativa “Portugal no seu melhor”, organizada pela BGUC e pela LIBUC – Liga de Amigos da Biblioteca Geral, encontra-se na Sala do Catálogo da BGUC uma exposição bibliográfica, coincidente com a tertúlia que decorre no dia 30 de junho.

José Saramago nasceu a 16 de novembro de 1922, em Azinhaga, concelho da Golegã, filho de José de Sousa (1896-1964) e de Maria da Piedade (1898-1982), originariamente agricultores que se mudaram para Lisboa em 1924, ainda Saramago não completara dois anos, numa altura em que o pai ingressou na Polícia de Segurança Pública.

O apelido Saramago advém-lhe do facto de, aquando da sua inscrição na escola primária, o funcionário do Registo Civil da Golegã ter incluído no apelido a alcunha familiar.
A maior parte da sua vida decorreu em Lisboa, onde realizou estudos liceais e técnicos e onde desenvolveu a sua atividade profissional: inicialmente como serralheiro mecânico, depois como desenhador, funcionário da saúde e da previdência social, mais tarde como tradutor, editor ou jornalista.

Foi crítico literário na revista Seara Nova e, entre 1972 e 1973, jornalista no Diário de Lisboa, como comentador político e como coordenador do suplemento cultural. Foi ainda colunista na Capital, no Jornal do Fundão, no Diário de Lisboa e no Diário de Notícias, entre outros.

O seu primeiro livro, o romance Terra do Pecado, foi publicado em 1947. Em 1966, surgiu o seu primeiro livro de poesia, intitulado Os Poemas Possíveis.

A sua obra reparte-se por variados géneros literários, com especial enfoque no romance mas incluindo também poesia, teatro, conto, diários, crónicas, relatos de viagens e livros infantis.

José Saramago integrou diversas instituições. Pertenceu à Direção da Associação Portuguesa de Escritores, foi presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Autores (de 1985 a 1994) e foi também diretor-adjunto do jornal Diário de Notícias num período muito conturbado (entre abril e novembro de 1975).

A partir de 1976 dedicou-se exclusivamente ao trabalho literário, como autor e tradutor, tendo traduzido escritores como Maupassant, Colette ou Bonnard, entre outros. Deve-se-lhe também a tradução de uma das mais famosas obras do grande historiador francês Georges Duby, O Tempo das Catedrais.

Em 1988, casou com a jornalista espanhola Pilar del Río, repartindo, a partir de 1993, a residência entre Lisboa e Lanzarote, nas Canárias.

Ao longo da sua carreira literária, José Saramago recebeu inúmeras distinções e prémios, sendo o único escritor português a ganhar o Prémio Nobel de Literatura, que lhe foi atribuído em 1998.

O escritor faleceu a 18 de junho de 2010, depois de doença prolongada.