a carregar...

UC.PT

e-prevenç@o

Diarreia do Viajante

A Diarreia do Viajante (DV) é a doença mais comum dos que se deslocam, podendo atingir 30 a 70% das pessoas que o fazem, dependendo do destino.

Os agentes causadores da DV podem ser:

  • Bactérias: 80-90%
  • Vírus: 5-8%
  • Parasitas: 10%

O que mais vulgarmente de designa por “intoxicação alimentar” deve-se à ingestão de toxinas produzidas pelas bactérias presentes nos alimentos. Neste caso, habitualmente surgem vómitos e diarreia que se resolvem espontaneamente em 12 horas.



Fatores de risco

O fator de risco mais determinante é o destino da viagem, havendo diferenças regionais, quer no grau de risco, quer no tipo de agente causal. Podem dividir-se, grosso modo, os destinos por grau de risco.

  • Países de baixo risco: EUA; Canadá; Austrália; Nova Zelândia; Japão; Europa Ocidental
  • Países de risco moderado: Europa de Leste; África do Sul; algumas ilhas das Caraíbas
  • Países de alto risco: Ásia; Médio Oriente; África; México; América Central e do Sul

Os agentes patogénicos não são exclusivos dos países menos desenvolvidos. O risco associa-se, sobretudo, a práticas de higiene menos adequadas na manipulação e preparação dos alimentos.

A diarreia do viajante ocorre em ambos os sexos, sendo os jovens mais atreitos a contraí-la.

Episódios anteriores de DV não parecem conceder proteção contra novas infeções, podendo ocorrer vários episódios na mesma viagem.



Manifestações clínicas

A diarreia causada por bactérias e por vírus apresenta-se de forma súbita, com sintomas que podem variar de cólicas moderadas e fezes mais pastosas até fortes dores abdominais, febre, vómitos e diarreia com sangue.

A diarreia provocada por parasitas habitualmente instala-se de forma mais progressiva, com sintomas mais moderados, com 2 a 5 dejeções mais pastosas por dia.

O período de incubação pode ser um bom auxiliar de diagnóstico:

  • Diarreia bacteriana e virusal - 6 a 48 horas
  • Diarreia parasitária – 1 a 2 semanas (raramente presente nas primeiras semanas de viagem)

A duração da DV de origem bacteriana vai de 3 a 5 dias. A DV de origem virusal pode durar de 2 a 3 dias. A diarreia causada por parasitas pode persistir por semanas a meses.

No entanto, um episódio de diarreia do viajante pode levar à persistência de sintomas gastrointestinais mesmo na ausência de infeção ativa.



Prevenção

Poderá reduzir substancialmente as possibilidades de se magoar ou adoecer se cumprir algumas regras básicas. A primeira regra preventiva é a de ser bastante meticuloso com a higiene pessoal, especialmente nos países menos desenvolvidos. As bactérias podem ser transportadas para a boca pelas mãos ou objetos. Lave sempre as mãos antes de comer e evite colocá-las perto da boca. A segunda regra é a de ser muito seletivo naquilo que come ou bebe.

  • Adote práticas seguras na ingestão de líquidos:

    • Lave sempre as mãos com água e sabão antes de preparar ou ingerir alimentos e depois de utilizar a casa-de-banho, de tossir ou de espirrar (se não dispuser de água e sabão poderá utilizar um desinfetante de mãos com um mínimo de 60% de teor de álcool)
    • Beba apenas água engarrafada, fervida ou tratada com desinfetantes ou purificadores
    • Utilize as mesmas precauções para a lavagem dos dentes (água engarrafada, fervida ou desinfetada)
    • Se utilizar água engarrafada, verifique sempre o selo de garantia; rejeite as garrafas já abertas
    • Não utilize gelo, a menos que tenha a certeza de ter sido fabricado com água engarrafada (o gelo conserva os “micróbios”, não os mata)
    • Prefira as bebidas engarrafadas ou em lata, desde que servidas ainda fechadas
    • Não beba sumos naturais de fruta
  • Adote práticas seguras na ingestão de alimentos:

    • Prefira sempre alimentos bem cozinhados
    • Evite comida crua ou aquecida
    • Evite consumir marisco, saladas, frutos descascados, gelados e leite fresco
    • Recuse alimentos servidos na rua ou em espaços com pouca higiene


Tratamento

Antibióticos

Uma vez que a grande maioria das DV é causada por bactérias, o tratamento empírico com um antibiótico adequado parece ser a melhor terapêutica. Fale com o médico na Consulta do Viajante.

Antidiarreicos

Os medicamentos antidiarreicos promovem alívio dos sintomas, servindo como terapêutica adicional aos antibióticos. A loperamida reduz a motilidade intestinal, podendo facilitar a continuação da viagem (no avião, no autocarro) enquanto se aguarda o efeito do antibiótico.

Reidratação oral

A diarreia produz a perda de fluidos e sais, o que torna importante a sua reposição, sobretudo nas crianças e adultos com doenças crónicas. Em adultos saudáveis, será rara a ocorrência de desidratação grave, exceto se se acompanhar por vómitos prolongados. De qualquer modo, torna-se importante a reposição, que melhora o bem-estar geral. Deve ser prestada atenção particular à qualidade sanitária dos líquidos a ingerir (preferindo bebidas engarrafadas). Em casos mais graves podem ser necessários os sais de reidratação oral.

Dieta

Nas primeiras horas faça uma paragem alimentar, mas mantenha a ingestão de líquidos, em pequenas quantidades de cada vez:

· Água engarrafada (ou fervida)

· Água de arroz (1 litro de água com 3 colheres de arroz fervida até reduzir a metade)

· Bebida de cola (ou similar) retirando o gás

· Chá preto fraco

Conforme a evolução vá dando início à ingestão gradual de alimentos sólidos:

· Torradas com compota

· Arroz cozido

· Cenoura cozida

· Maçã ou pera cozida

· Carne magra cozida ou grelhada

Evite o leite ou derivados, vegetais, fruta crua, gorduras.