Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Iniciativa na Biblioteca Geral da UC

O Projeto de D. João V - Lisboa ocidental, Mafra e o Urbanismo Cenográfico de Filippo Juvarra. 12 DE MAIO : QUINTA-FEIRA : 18h00 | Biblioteca Geral da UC | Sala de São Pedro A entrada é livre.
imagem
imagem

Na obra de Giuseppina Raggi «O Projeto de D. João V - Lisboa ocidental, Mafra e o Urbanismo Cenográfico de Filippo Juvarra», é proposta uma viagem «com olhos novos através do reinado de D. João V e D. Maria Ana de Áustria, que mostra uma história diversa de Lisboa setecentista, do palácio-convento de Mafra, dos teatros de ópera, das artes e da cultura que animaram a efervescência joanina (1707-1728)». O livro é pretexto para uma conversa entre a autora e o Professor Rui Lobo. A sessão decorre na tarde de dia 12 de maio, quinta-feira.

SINOPSE

Uma viagem frustrada e a nova Lisboa que nasce. Uma viagem de dois anos pela Europa, visitando Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Alemanha, Áustria e as principais cidades italianas: Veneza, Nápoles, Roma, Florença, Turim…

Um projeto sobre Lisboa Ocidental que condensa todas as finalidades desta desejada (e frustrada) viagem do jovem D. João V. A ambição de renovar a cultura, contratar artistas e artífices, conhecer o que de maisnovo e magnífico havia nas outras cortes e repúblicas, católicas ou protestantes, para que o reino de Portugal construísse a mais grandiosa das capitais europeias.

Uma viagem feita com olhos novos através do reinado de D. João V e D. Maria Ana de Áustria, que mostra uma história diversa de Lisboa setecentista, do palácio-convento de Mafra, dos teatros de ópera, das artes e da cultura que animaram a efervescência joanina (1707-1728). E, no curso desta viagem, o encontro comum dos principais arquitetos europeus da época - Filippo Juvarra (Messina 1678 - Madrid 1736) - e com a magia dos seus desenhos, que revelam a força das ideias e o poder dos projetos para além do tempo em que são delineados.



AUTORA

Giuseppina Raggi é investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra. Natural de Cesena (Itália), é licenciada em Letras pela Universidade de Bolonha e em flauta pelo Conservatório de Música de Cesena. Doutora em História da Arte pelas Universidade de Lisboa e de Bolonha (2005), especializou-se no campo da pintura de quadratura nos séculos XVII e XVIII. Em anos recentes dedicou-se ao estudo dos projetos para a corte joanina do arquiteto, urbanista e cenógrafo italiano, Filippo Juvarra, entreligando-os com uma nova visão do mecenato feminino, em particular o da rainha Maria Ana de Áustria, no campo do teatro e da ópera italianas.

Contemporaneamente, está a desenvolver pesquisas sobre o mecenato artístico das comunidades africanas e afrodescendentes em Portugal no Antigo Regime, no âmbito do projeto CEEC-IND: «Early-modern art and architecture, Atlantic slave trade and cross-cultural dynamics. The case of African Portugal between heritage and politics of recognition».

Entre 2019-2021 co-liderou o projeto coletivo: «1719-2019. Filippo Juvarra, Domenico Scarlatti e o papel das mulheres na promoção da ópera e do teatro em Portugal», financiado pela Fundação C. Gulbenkian. Nos mesmos anos foi membro da equipa de investigadores do WP4, liderado pelo CES-UC, do projeto europeu: «ECHOES. European Colonial Heritage Modalities in Entangled Cities». Atualmente colabora como investigadora no projeto espanhol: «Cultura escenográfica en el contexto hispánico de la Edad Moderna: Un enfoque holístico».

Entre as suas numerosas publicações destacam-se os livros: O projeto de D. João V. Lisboa ocidental, Mafra e o urbanismo cenográfico de Filippo Juvarra (2021); A pintura de Giuseppe Trono na capela do Paço da Bemposta – Academia Militar em co-autoria com Michela Degortes (2018); Ilusionismos. Os tetos pintados do palácio Álvor (2013); e a co-edição dos volumes: Filippo Juvarra, Domenico Scarlatti e il ruolo delle donne nella promozione dell’opera in Portogallo (2021); Theater spaces for music in 18th century Europe (2020); Salvador da Bahia. Interações entre América e África (séculos XVI-XIX) (2017).