/ Ensino

Outras ofertas de ensino

Mestrado em Astrofísica e Instrumentação para o Espaço

O Mestrado em Astrofísica e Instrumentação para o Espaço (MAIE) tem como objetivo oferecer uma formação especializada nas áreas da Astrofísica e da Instrumentação para o Espaço a diplomados em Física, Engenharia Física e áreas afins, com vista a formar profissionais que possam interagir ou integrar equipas científicas de grandes organizações (e.g, ESA, ESO, SKA, CERN, etc…) e empresas tecnológicas com atividades na área do espaço.

Com uma estrutura muito versátil, o MAIE permite ao estudante optar pelas unidades curriculares que mais se ajustem ao seu perfil e que melhor complementem a sua formação anterior, face às áreas de oportunidade que mais lhe interessem. Isto permite um maior foco na área escolhida que pode ser astrofísica teórica, cosmologia, modelação computacional, astronomia observacional e análise de dados, ou ainda, numa vertente mais vocacionada para a instrumentação, engenharia, navegação e geo-observação.

O MAIE pretende assim fornecer os instrumentos necessários para interagir e colaborar no contexto fortemente multidisciplinar da astrofísica atual e das atividades no domínio do espaço.

As saídas profissionais são:

  • Atividades de investigação em laboratórios e instituições de investigação e desenvolvimento, nomeadamente as que integram equipas nas grandes organizações internacionais (ESA, ESO, SKA, CERN, etc...);
  • Atividades de projeto e desenvolvimento em empresas tecnológicas especializadas que operem no domínio espacial;
  • Atividades em sectores com forte pendor tecnológico e computacional, nomeadamente nos serviços e em nichos de tecnologia especializada
  • Atividades de educação, divulgação e difusão da cultura científica em instituições de ensino, em museus de ciência e afins.

Coordenador(es) do Curso
Alexandre C. M. Correia | alexandre.correia@uc.pt

Testemunhos

AS
Afonso Simões

O mestrado em astrofísica e instrumentação para o espaço da universidade Coimbra correspondeu a todas as expetativas que tinha. Vindo de engenharia informática, tentei consolidar esta vertente com a vertente da astrofísica e este mestrado ofereceu a possibilidade de o fazer. Através do acompanhamento de excelentes profissionais das diversas área que o mestrado oferece pude conjugar a vertente de astrofísica e informática com sucesso.

Mestrado em Física Médica

O Mestrado em Física Médica (MFM) responde às necessidades de formação académica necessárias para ingressar na área da Física Médica, como profissionais qualificados. O programa de estudos do MFM tem por objetivos dotar os estudantes de uma visão abrangente e integrada dos tópicos científicos, tecnológicos, técnicos, socioeconómicos, éticos, legais, jurídicos, de regulamentação e legislação associados à Física Médica e também à Proteção e Segurança Radiológicas, respondendo nesta área aos requisitos legais e às recomendações europeias.

A principal saída profissional é a de Físico Médico, após a formação clínica especializada em ambiente hospitalar que faz parte do quadro de qualificação da profissão de Físico Médico.

Os Físicos Médicos estarão preparados para desempenhar funções na área da Radioterapia, Medicina Nuclear, e Radiologia de Diagnóstico e de Intervenção em Unidades Hospitalares ou Clínicas.

Podem desempenhar funções científicas e técnicas especializadas em sectores - Indústria, Ambiente, Serviços, Investigação e Regulação - em que seja utilizada radiação ionizante e não-ionizante (todos os locais de trabalho que utilizem radiação devem, de acordo com as recomendações internacionais, contar com um especialista em proteção radiológica tal como são os graduados deste mestrado).

Os mestres em Física Médica têm a formação ideal para realizar investigação nas áreas de Imagiologia Médica, Radioterapia, Dosimetria, Proteção radiológica e áreas afins.

Coordenador(es) do Curso
Maria Isabel Silva Ferreira Lopes | isabel@lipc.fis.uc.pt

Testemunhos

Rafael Lobão

O que me levou a escolher o Mestrado em Física Médica na Universidade de Coimbra foi a elevada qualificação do corpo docente em áreas atinentes ao curso, o que atesta constantemente que tomei a decisão certa.
Por outro lado, e como pessoa curiosa que sou, a natureza multidisciplinar da Física Médica, a disponibilidade dos docentes para connosco e o seu empenho em nos colocar a par da vanguarda científica, deixam-me cada vez mais entusiasmado pela área que escolhi.

Mestrado em Ensino de Física e de Química

O Mestrado em Ensino de Física e de Química (MEFQ) tem por objetivo a habilitação profissional para a docência de Física e de Química no 3º ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário, desenvolvendo nos futuros professores competências científico-pedagógicas alicerçadas numa perspetiva transversal de enquadramento em contextos diversificados de ensino.

Os conhecimentos científicos, previamente adquiridos, são potenciados em aptidões linguísticas simples, mas cientificamente corretas, coerentes com os documentos orientadores vigentes para os Ensinos Básico e Secundário de Física e de Química. A formação é centrada em diferentes perspetivas práticas de ensino e irá fornecer um conjunto de ferramentas de diferenciação pedagógica que serão as bases da construção da identidade da profissão docente do futuro professor. Fomenta-se nos mestrandos um espírito alerta para os desafios sociais, científicos e tecnológicos de um mundo em mudança e para o necessário desenvolvimento de uma perspetiva de igualdade, diversidade e inclusão de todos os seus futuros alunos dos EBS.

Coordenador(es) do Curso
Maria Miguéns Pereira | mmpereira@qui.uc.pt

Testemunhos

Filipa Prior

Tenho 25 anos, já trabalhei durante um ano e cá estou eu a viver outra aventura. Aventura esta que é bem especial para mim, uma vez que sempre sonhei ser professora de Física e Química. O MEFQ está bastante apelativo e dinâmico, tendo sido desenhado para explorar cada uma das vertentes cruciais para formar futuros professores de Física e Química. Até agora posso garantir que estou a vivenciar uma experiência muito enriquecedora, sempre rodeada de docentes que possuem uma enorme vontade de ensinar.

Mestrado em Biologia Computacional

O Mestrado em Biologia Computacional envolve 5 departamentos de Ciências da Vida, de Física, de Engenharia Informática, de Matemática e de Química e tem intrinsecamente um caráter interdisciplinar. Está preparado para receber alunos com diferentes formações de base (biólogos, bioquímicos, físicos, matemáticos, …) e desenhado de modo a dar uma formação na área de Biologia Computacional adequada ao respetivo perfil do aluno. Os objetivos formativos deste mestrado incluem a aquisição de um robusto conhecimento científico e técnico na aplicação da Biologia Computacional às áreas da biologia, biomedicina e biotecnologia. Em particular o/a estudante deste mestrado irá ser capaz de utilizar e desenvolver ferramentas computacionais para o estudo de grandes quantidades de dados biológicos (por exemplo proveniente de estudos genómicos ou proteómicos), utilizar ferramentas computacionais no desenvolvimento de novos fármacos, e desenvolver modelos matemáticos e computacionais capazes de simular sistemas biológicos e o desenvolvimento de patologias, com aplicação na medicina personalizada. É sem dúvida uma área de especialização essencial hoje em dia tanto na investigação, como na criação de novas soluções quantitativas no sistema empresarial relacionado com a biotecnologia.

Testemunho

Mestrado Conjunto Erasmus Mundus em Geociências Planetárias

O EMJM GeoPlaNet é um projeto para promover o ensino das Geociências Planetárias a nível europeu, face ao enorme progresso da exploração espacial ocorrido nas últimas décadas. Tem por objetivo proporcionar aos estudantes uma formação sólida nas diferentes áreas envolvidas numa missão de exploração espacial, desde a sua conceção e planeamento, passando pela implementação e coordenação e culminando na análise e interpretação dos dados recolhidos.

Financiado pela Comissão Europeia através da atribuição de 15 bolsas anuais aos melhores candidatos provenientes da União Europeia ou países terceiros, este novo Mestrado, coordenado pela Universidade de Nantes, tem a duração de 24 meses repartidos entre as universidades de Coimbra (1.º semestre), Gabriele d’Annunzio em Itália (2.º semestre) e Nantes (3.º semestre). O projeto tem ainda a colaboração das universidades do Porto e de Pádua, na lecionação de cadeiras. O trabalho de tese será desenvolvido no último semestre numa das instituições associadas, num grupo de cerca de 20, que inclui para além de laboratórios de investigação e agências espaciais, empresas tecnológicas ligadas ao desenvolvimento de instrumentação e outros serviços para a indústria espacial. No final do curso, é conferido aos estudantes um diploma de mestrado conjunto.

A primeira edição terá início em setembro de 2023. As candidaturas estão abertas até 15 de fevereiro de 2023, e deverão ser efetuadas através do site https://geoplanet-impg.eu/en/apply

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO