Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

A ruidosa urbanidade de (quase) todos os dias

22 setembro
CES
CES
© Marta Costa

«Conversas Desconfinadas»
A ruidosa urbanidade de (quase) todos os dias
Carlos Fortuna (CES/FEUC)

22 de setembro de 2020, 16h00 (GMT +01:00)

Evento em formato digital

Comentários de Giovanni Allegretti e Pedro Quintela (CES)

Décima segunda sessão do ciclo de debates «Conversas Desconfinadas». No ambiente sonoro das cidades modernas o ruído assumiu há muito um incontornável destaque. Desde os tempos de profundo estranhamento, este "mundo social do ruído" revestiu-se ao longo do século XX de uma generalizada condescendência e acomodação social. O "som indesejado", como Murray Schafer se refere ao ruído, encontrou no campo artístico futurista um dos seus principais cúmplices. Na pintura, na música e na poesia – com U. Boccioni, L. Russolo e Álvaro de Campos – muitos artistas "convidaram" a cidade a aceitar naturalmente o ruído das máquinas e dos motores como sinal de moderno vanguardismo. Outros – de Th. Lessing a Julia Rice –, porém contestaram o elevado preço a pagar pela nova condição urbana. Todavia, o colonialismo procedeu à globalização sonora do ruído que anteciparia a globalização política. Hoje, o ruído é tanto um traço cultural usado como perversa denúncia da presença do "outro" ou como poderoso dispositivo que silencia a dissidência. Em ambas as situações, este "mundo social do ruido", representa um inusitado território de disputas sociais e políticas que convidam a aturada investigação sociológica que está para além da tecnicidade do seu mapeamento nas diversas zonas das cidades. O estranho silêncio com que a COVID 19 cobriu as cidades europeias levou muitos grupos e organizações, por nostalgia ou por demonstração de poder, a inesperadas celebrações do retorno gradual do ruído urbano. Em regra, sem notarem que este silêncio urbano denunciava, desta vez, uma tão grave avaria funcional da "máquina de habitar" cujo remédio requer uma profundíssima "reparação".

Os seminários das «Conversas desconfinadas», de acesso livre, centram-se na pandemia, nas suas implicações nas múltiplas dimensões que preocupam a comunidade CES, entre outros temas que importam debater atualmente.

Esta atividade realiza-se através da plataforma Zoom e está limitada ao número de vagas disponíveis: https://us02web.zoom.us/j/83376017678

Agradecemos que todos/as os/as participantes mantenham o microfone silenciado até ao momento do debate. O anfitrião da sessão reserva-se o direito de expulsão do/a participante que não respeite as normas da sala.

As atividades abertas dinamizadas em formato digital, como esta, não conferem declaração de participação uma vez que tal documento apenas será facultado em eventos que prevejam registo prévio e acesso controlado.