Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Arquivo Digital de Carlos de Oliveira

Coordenação: Osvaldo Manuel Silvestre



1 - Justificação

O espólio do escritor Carlos de Oliveira (1921-1981) encontra-se depositado, desde 11 de Fevereiro de 2012, no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira. Um dos maiores poetas pós-pessoanos e o maior autor da chamada geração neo-realista, a obra de Carlos de Oliveira tem sido objecto do reconhecimento de sucessivas gerações de críticos e estudiosos, de Eduardo Lourenço e João Gaspar Simões até à jovem geração de hoje.

Neste momento em processo de inventariação, o espólio de Carlos de Oliveira começa já a oferecer revelações que confirmam intuições críticas de alguns dos seus leitores mais reputados: (i) que o autor pensava e premeditava minuciosamente as suas obras, (ii) que os longos interregnos entre obras, preenchidos na aparência com processos de reescrita, foram de facto acompanhados por intensas reflexões sobre o "programa " e a escrita das novas obras. O volume de documentos – manuscritos e dactiloscritos – não só lança luz sobre todo o processo de criação do autor como permite produzir uma edição crítica de toda a obra.

2 - Metodologia

Nesse sentido, tem-se vindo a constituir uma equipa de trabalho, coordenada por Osvaldo Manuel Silvestre, membro do CLP e consultor científico do espólio, no sentido de criar um arquivo digital da obra e de produzir a sua edição crítica. A edição será realizada e disponibilizada em suporte digital, oferecendo quer o fac-símile de cada documento, quer a sua transcrição topográfica, de acordo com os critérios que regem hoje a filologia digital. Nos casos em que tal seja possível, a edição procederá segundo o princípio de disponibilização de texto-base e variantes. Nos casos em que a diversidade dos materiais e complexidade do stemma codicum o torne inviável ou insuficiente, como sucede com Finisterra. Paisagem e Povoamento, romance de 1978, a edição recorrerá às possibilidades oferecidas pelo digital para proceder a um sistema de hiperligações entre documentos. A edição utilizará a linguagem TEI (Text Encoding Initiative) para codificar os textos.

3- Objectivos

(i) constituir um arquivo digital do espólio;

(ii) proceder à edição crítica da obra, a editar em suporte digital.

4 - Equipa de investigação e instituições participantes

A equipa a constituir será basicamente luso-brasileira, envolvendo de momento uma universidade portuguesa (Coimbra) e uma brasileira (Universidade Federal Fluminense). Quer a equipa portuguesa quer a brasileira incluirão, além de especialistas, alunos em formação. Ambas as equipas tencionam candidatar-se a financiamento externo (da FCT, pela parte portuguesa, e da CAPES, pela parte brasileira). Além destas duas universidades o projecto prevê de momento a colaboração da Universidade de Salamanca e da Universidade de Zurique, na pessoa de investigadores com grande competência em Carlos de Oliveira e no trabalho filológico.

A estrutura do projecto é a seguinte:
Instituição de acolhimento: CLP
Outras instituições participantes: Museu do Neo-Realismo
Coordenação: Osvaldo Manuel Silvestre (CLP)
Outros membros do CLP envolvidos: Ricardo Namora, Rui Mateus
Outras universidades a integrar:
Universidade Federal Fluminense (Prof.ª Ida Alves)
Universidade de Salamanca (Prof. Pedro Serra)
Universidade de Zurique (Prof.ª Maria Ana Ramos)