Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Revista de Estudos Literários Nº 8 - Ano 2018

  
Capa - Revista de Estudos Literários Nº 8 

Autor: Vários   
Organizadoras: Ana Paula Arnaut e Ana Maria Binet
Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra e Centro de Literatura Portuguesa
Data: 2018
Nº de páginas: 534
ISSN: 2182-1526

Sinopse

Da fragmentação do espaço e do tempo, própria do Modernismo do princípio do século XX, à fragmentação da imagem do mundo trazida pelas novas tecnologias, a literatura, e aqui, especifi camente, a literatura em língua portuguesa, tem sofrido, através do nosso século e do precedente, uma enorme evolução, tanto quanto ao conteúdo como quanto à forma. Mais do que um Neo-Modernismo, ou um Post-Post-Modernismo, a noção de Hipercontemporâneo parece-nos corresponder a uma verdadeira mutação, que nos permite ter uma
visão, fictícia, mas talvez mais real do que a verdadeira, do que será o Homem e o seu mundo nas décadas vindouras.

Fruto da globalização, das novas tecnologias, essa literatura que marca os nossos panoramas literários, seja no continente europeu, seja no americano ou no africano, é um refl exo de um mundo em profunda mudança, onde as mentes e os corpos se expõem ao domínio da ciência e da tecnologia, integrando-as no seu foro interno. Assim, a literatura hípercontemporânea põe em cena personagens híbridos, homens-máquina, máquinas antropomórficas, oferecendo-nos uma visão do futuro que nos atemoriza. A violência político-religiosa, que marca profundamente as nossas sociedades, especialmente desde o 11 de Setembro de 2001, percorre uma literatura onde o medo da morte, que tínhamos conseguido eufemizar, volta brutalmente, através da consciência de que esta se pode sobrepor às estruturas socioculturais, que tinham como objetivo mantê-la à distância, e se revelam impotentes perante a força do tsunami que nos assola, particularmente na Europa.

Ana Paula Arnaut e Ana Maria Binet, Introdução (excerto)

  
 

Tema: Do Post-Modernismo ao Hipercontemporâneo: Os Caminhos das Literaturas em Língua Portuguesa

Organizadoras: Ana Paula Arnaut e Ana Maria Binet
Índice
Nota Prévia

Carlos Reis, Nota prévia, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 7-10.

Introdução

Ana Paula Arnaut e Ana Maria Binet, Introdução, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 11-15.

Secção Temática

Ana Paula Arnaut, DO POST-MODERNISMO AO HIPERCONTEMPORÂNEO: MORFOLOGIA(S) DO ROMANCE E (RE)FIGURAÇÕES DA PERSONAGEM, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 19-44.

Sofia Madalena G. Escourido, A PÁGINA COMO POSSIBILIDADE HIPERFICCIONAL DA NOVA LITERATURA PORTUGUESA: PATRÍCIA PORTELA, AFONSO CRUZ E JOANA BÉRTHOLO, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 45-74.

Carlos Augusto Magalhães, DESIGUALDADE, EXCLUSÃO E VIOLÊNCIA URBANA EM NARRATIVAS HIPERCONTEMPORÂNEAS, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 75-100.

Paulo Ricardo Kralik Angelini, VOZES DO BRASIL: A PRESENÇA DA LITERATURA BRASILEIRA NA NARRATIVA HIPERCONTEMPORÂNEA PORTUGUESA, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 101-127.

Vania Pinheiro Chaves, A “DESVAIRADA MÁQUINA DE PRODUÇÃO DA FICÇÃO” EM TEATRO, DE BERNARDO CARVALHO, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 129-144.

Glória Alhinho, A AMIZADE COMO LAÇO CULTURAL E TRANSNACIONAL EM TERRA SONÂMBULA DE MIA COUTO, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 145-167.

Sílvia Amorim, DILATAÇÃO DO REAL E LIGAÇÕES INFINDAS: A BONECA DE KOKOSCHKA, O LIVRO MATRIOSCA DE AFONSO CRUZ, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 169-190.

Bruno Ministro, PERFORMANCE DO ROMANCE: LER A FICÇÃO EXPERIMENTAL DE JOSÉ-ALBERTO MARQUES, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 191-221.

Ana Isabel Correia Martins, VIAGEM(S), HISTÓRIA(S) E ESPAÇO(S) EM GONÇALO M. TAVARES: TRAVESSURAS E TRAVESSIAS FICCIONAIS, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 223-250.

Reginaldo Pujol Filho, UMA EXPOSIÇÃO DE ARTE VISÍVEL EM GONÇALO M. TAVARES, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 251-273.

Tatiana Prevedello, SOB O SIGNO DE CHRONOS E KAIRÓS: A NARRAÇÃO DO TEMPO EM LOBO ANTUNES, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 275-299.

Vânia Rego, O FILHO TORNA-SE PAI: O LUGAR DO ROMANCE DE FILIAÇÃO NA OBRA DE JOSÉ LUÍS PEIXOTO, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 305-325.

Ana Maria Lisboa de Mello, ALGUM LUGAR, DE PALOMA VIDAL: DESLOCAMENTO, ESTRANHAMENTO E MELANCOLIA, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 327-352.

Leonardo Barros Medeiros, CONTAMINAÇÕES INTERMIDIÁTICAS E SOBREVIDA DA PERSONAGEM EM RUBEM FONSECA, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 353-378.

Sandra Assunção, O BRASIL E “SEUS OUTROS”: NIHONJIN, UMA HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 379-408.

Secção Não-Temática

Maria António Hörster, O APELO DAS SEREIAS ENSAIO DE LEITURA DE A CASA ETERNA DE HÉLIA CORREIA, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 411-335.

Maria Lúcia Outeiro Fernandes, AS SUTILEZAS DA VEROSSIMILHANÇA E AS VARIAÇÕES DA REALIDADE, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 437-462.

Márcia Regina Rodrigues, CONVERGÊNCIAS ESTÉTICAS ENTRE O RENDER DOS HERÓIS E O DELFIM, DE JOSÉ CARDOSO PIRES, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 463-481.

Arquivo

Maria Helena Santana, “VIAJANDO COM GARRETT PELO VALE DE SANTARÉM (ALGUNS ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA INÉDITA DA NOVELA DE CARLOS E JOANINHA)”, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 485-496.

Recensões

Aurelio Vargas Díaz-Toledo, Recensão: DIÁLOGOS OU COLÓQUIOS FRANCISCO DE MORAES - MARGARIDA SANTOS ALPALHÃO, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 501-507.

João Domingues, Recensão: LE TRIOMPHE DE L’ARTISTE LA RÉVOLUTION ET LES ARTISTE – RUSSIE: 1917-1941 - TZVETAN TODOROV, Revista de Estudos Literários, vol. 8, 507-512.

Patrícia I. Martinho Ferreira, Recensão: A NARRATIVA DE JOSÉ CARDOSO PIRES PERSONAGEM, TEMPO E MEMÓRIA - ANA ISABEL SERPA , Revista de Estudos Literários, vol. 8, 512-517.

Sobre os Autores