Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Maksim Gorki  (1868-1936)

Vladimir Pliassov
CER, FLUC
https://www.uc.pt/fluc/depllc/CER/centro_de_estudos_russos/cerartigos
Maxim Gorki

O dia 28 de março marca o 150º aniversário do nascimento de Maksim Gorki (1868-1936), um clássico da literatura russa, soviética e mundial. Maksim Gorki (Максим Горький) é o pseudónimo literário do escritor e dramaturgo russo, Aleksei Maksímovitch Péchkov (Алексей Максимович Пешков).

Gorki foi um dos mais importantes e conhecidos escritores e pensadores russos. Tendo começado com novelas, canções em prosa e contos de inspiração romântica, em 1901, Gorki voltou-se também para a dramaturgia. Na viragem do XIX para XX, ele tornara-se famoso como autor de obras com um tema revolucionário, foi próximo à ideologia dos social-democratas e esteve em oposição ao regime czarista.

Apesar do facto de que, por algum tempo, Gorki tenha sido o maior patrocinador da fação dos Bolcheviques, ele reagiu com ceticismo à Revolução de Outubro. Depois de vários anos de trabalho cultural e de defesa dos direitos humanos na Rússia Soviética viveu no estrangeiro (Berlim, Marienbad, Sorrento), onde passou mais de 18 anos, incluindo 15 anos em Itália. Em 1932, regressou à URSS, onde nos últimos anos da sua vida recebeu reconhecimento oficial como fundador da corrente literária chamada de realismo socialista.

Logo depois de publicada a sua primeira coleção de contos em 1898, surgiram as opiniões dos críticos literários no estrangeiro. As obras de Gorki foram traduzidas para 40 línguas! Ele correspondia com todos os grandes escritores, figuras públicas e políticas de todo o mundo e comunicava-se com elas em pé de igualdade.

O primeiro conto Makar Tchudra (Макар Чудра) sob o pseudónimo de Maksim Gorki, saiu em 1892, seguido pelos contos Tchelkach (Челкаш), A Velha Izerguíl (Старуха Изергиль), Canção do Falcão (Песнь о Соколе), Gente no Passado (Бывшие люди).

Em 1898 foi publicada a sua coleção em dois volumes Ensaios e Contos (Очерки и рассказы), que trouxe ao escritor um sucesso e reconhecimento extraordinários em toda a Rússia. As peças Pequeno-Burgueses (Мещане), Albergue Nocturno (На дне), Veraneantes (Дачники), Filhos do Sol (Дети солнца) fizeram dele um dramaturgo popular.

No entanto, após a insurreição armada de 1905, Maksim Gorki foi forçado a deixar o país. No exílio, ele escreveu a trilogia autobiográfica Infância (Детство), Entre a Gente (В людях) e As Minhas Universidades (Мои университеты), o romance O Caso dos Artamanov (Дело Артамоновых), A Vida de Clim Samgine (Жизнь Клима Самгина) e um livro de memórias sobre Vladímir Lénin. Voltando a convite pessoal de Ióssif Stálin para a sua terra natal, Gorki continuou a escrever ativamente: História das Fábricas e Empresas (История фабрик и заводов), A Biblioteca do Poeta (Библиотека поэта), A História da Guerra Civil (История гражданской войны).

No momento do colapso da URSS, a tiragem das obras de Maksim Gorki alcançou, no total, mais de três milhões e meio de exemplares. Na história da literatura russa, apenas as obras de Lev Tolstói e Aleksandr Púchkin tiveram maior publicação do que as dele. Gorki também, várias vezes (cinco), foi nomeado para o Prémio Nobel da Literatura.

Veja mais: 150º Aniversário de Maksim Gorki