Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO
Atualidade

Investigadores do iCBR-FMUC e do CHUC distinguidos no Congresso Português de Hepatologia com Melhor Comunicação Oral

9 abril
Entrega de Menção Honrosa ao investigador Ricardo Martins (ao centro).
Entrega de Menção Honrosa ao investigador Ricardo Martins (ao centro).

Ricardo Martins e Carmen Martin-Sierra são os autores principais do trabalho “Functional caracterization of tumor-infiltrating macrophages in hepatocelular and cholangiocarcinoma patients: an advance in treatment”, distinguido com o prémio de “Melhor Comunicação Oral” durante o Congresso Português de Hepatologia 2019 – 22ª Reunião Anual da Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado (APEF), que decorreu recentemente na  Figueira da Foz.

Ricardo Martins, investigador na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, refere que “os macrófagos podem desempenhar papéis distintos em diferentes microambientes tumorais, tendo uma ação pró-tumoral ou anti-tumoral consoante a sua diferenciação”. Afirma ainda, que “a importância médica e científica deste projeto reside no facto de estas células representarem potenciais alvos terapêuticos”. Para além de Ricardo Martins e Carmen Martin-Sierra, Paula Laranjeira, Pedro Guerreiro, Ana Margarida Abrantes, Rita Neves, Rui Caetano Oliveira, Maria Filomena Botelho, Rosário Domingues, Emanuel Furtado, José Guilherme Tralhão, Hélder Carvalho e Artur Paiva fazem parte da equipa responsável pelo projeto premiado.

No mesmo congresso, foi também atribuída uma Menção Honrosa ao trabalho “Effect of splenic artery ligation after ALPPS on viability, regeneration and liver function: results from an experimental animal model”, desenvolvido por Ricardo Martins. De acordo com este investigador , “a ALPPS (Associating Liver Partition and Portal vein ligation for Staged hepatectomy) tem sido descrita como uma estratégia revolucionária na cirurgia hepatobiliar no tratamento de doentes com patologia tumoral do fígado, mas que os mecanismos responsáveis pela rápida regeneração hepática associada a esta técnica não são ainda totalmente conhecidos”. Por esse motivo, a equipa de investigação tem vindo a estudar qual o efeito da ALPPS na viabilidade e regeneração hepática em modelos animais. “Este estudo permitiu modificar a técnica, conduzindo a uma diminuição das taxas de complicações e mortalidade a elas associadas, diminuindo a percentagem de falência hepática pós resseccção, provavelmente relacionada com a diminuição do stresse oxidativo”, conclui o investigador. A equipa multidisciplinar é ainda constituída por Ana Margarida Abrantes, Rodrigo Nemésio, Rita Neves, Pedro Guerreiro, Rui Caetano Oliveira, Ana Cristina Gonçalves, Ana Bela Sarmento-Ribeiro, José Guilherme Tralhão, Maria Filomena Botelho e Hélder Carvalho.

(CIMAGO)