Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Patrick Cavanagh on Illusions of position and art that reveal how the brain works

29 de junho 18h00 - via zoom
29 junho
Patrick Cavanagh on Illusions of position and art that reveal how the brain works
Patrick Cavanagh on Illusions of position and art that reveal how the brain works

Como é que a Arte e as Ilusões Visuais de Posição demonstram como o cérebro funciona.

Ilusões visuais são erros que afetam a perceção do que nos rodeia, e podem ser usados não só para compreender os processos subjacentes à visão, mas também para identificar as origens destes processos no cérebro. Estas ilusões mostram o modo com o cérebro reconstrói o que vemos, e, de forma surpreendente, demonstram que esta reconstrução parece acontecer fora do sistema visual, nos lóbulos frontais. Especificamente, descobrimos um efeito notável do movimento de esquadrias na perceção da posição de objetos alvos que sugere uma hierarquia no modo como codificamos a organização de uma imagem visual.

Mas a ilusão visual mais convincente é a arte representativa, onde impressões de profundidade e luz surgem de nada mais do que pigmentos numa superfície plana (um quadro). Para mais, os pintores muitas vezes desviam-se de estilos mais fotorealistas, potencialmente quebrando as regras física para conseguir uma pintura mais eficaz. De forma interessante, algumas destas transgressões da física, como as sombras, formas e reflexões impossíveis, passam despercebidas à quem observa um quadro – estes erros não detetados são aqueles que nos dizem quais as regras da física que realmente contam para a perceção visual e quais é que podem ser ignoradas. Assim, os artistas atuam como neurocientistas e só temos de olhar para as suas pinturas para compreender as suas descobertas científicas. Vou usar exemplos que vão desde pinturas rupestres até à era moderna para mostrar como fazer "ciência olhando", revelando regras básicas da cognição visual descobertas por artistas.

Como tal, demonstrarei que as ilusões de posição e a arte oferecem uma forma única de aceder aos processos visuais que nos permitem melhor compreender a função cerebral.

Bio

Patrick Cavanagh é um Investigador Sénior na Universidade de Glendon College of York em Toronto. Ele obteve a sua licenciatura em Engenharia Eletrotécnica na Universidade de McGill, e um doutoramento em Psicologia Cognitiva na Universidade de Carnegie-Mellon. Foi Professor na Universidade de Montréal, Harvard, Paris Cité e Dartmouth College. Os seus interesses de investigação atuais centram-se na atenção visual e no sentido de posição – como é que nós sabemos onde estão as coisas. Explora também a contribuição de propriedades como as sombras, a cor e a textura para as representações artísticas, e como é que técnicas artísticas no elucidam sobre o funcionamento do cérebro. Patrick Cavanagh publicou mais de 300 artigos e capítulos de livros e também um livro sobre sombras. Detém também um doutoramento honoris causa pela Universidade de Montréal, e é um membro da Royal Society do Canadá.

Google Scholar: https://scholar.google.com/citations?hl=pt-PT&user=F7JpbeQAAAAJ

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/81558871445