Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Os códigos do cérebro que abrem portas a novas terapias

Miguel Castelo-Branco estuda a capacidade de reabilitação do cérebro em doenças neurodegenerativas e do neurodesenvolvimento. Tema em destaque no Diario de Noticias.
16 setembro
MCB
MCB
© Fernando Fontes / Global Imagens

Na doença de Parkinson, muito antes de aparecerem os sintomas, o cérebro começa a reorganizar-se para tentar compensar a falência funcional da área que controla a execução de movimentos. Em Coimbra, onde dirige um dos mais importantes grupos de investigação dedicado às neurociências, Miguel Castelo-Branco chegou a essa conclusão depois de analisar os movimentos oculares de vários voluntários, descobrindo um mecanismo surpreendente de reorganização funcional do cérebro que reforça a esperança em encontrar terapias mais eficazes para lidar com as chamadas doenças neurodegenerativas.

"É uma coisa que as pessoas se calhar não sabem, mas a doença está lá desde muito cedo, só que o cérebro adapta-se de uma forma incrível até... desistir, passe a expressão", conta o investigador. É esse, aliás, o grande desafio da maior parte das doenças neurodegenerativas, de Parkinson a Alzheimer, Huntington ou a esclerose múltipla. "É que agora sabemos que em geral tudo começa décadas antes de a doença se manifestar clinicamente", sublinha Miguel Castelo-Branco, médico e cientista que partiu da área da visão para se apaixonar pelo estudo do cérebro "e da sua complexidade", área na qual tem acumulado reconhecimento nacional e internacional, com vários prémios recebidos.

Veja a noticia completa do Diario de Noticias aqui.