Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Mensagem do Coordenador

As bases fundacionais do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20/UC) assentaram, desde o seu início, numa forte componente associada à historiografia e aos estudos sobre a Memória. Os primeiros Grupos de Investigação estabeleceram, sem qualquer dúvida, essa prioridade estratégica, com a sua multidisciplinaridade, tornando o CEIS20 numa unidade de I&D de referência em Portugal em termos de história contemporânea (incluindo a história recente e a história do tempo presente).

Estas dinâmicas de multidisciplinaridade, que o CEIS20 concretizou na sua primeira década de existência, assim como os resultados da investigação produzida, levaram a uma procura crescente por parte de investigadores nacionais e de outros países, muitos deles com formações académicas que não a História. Durante a segunda etapa da sua existência, o CEIS20 transformou-se numa unidade de investigação multidisciplinar, com atividade em Humanidades e Artes, Ciências Sociais e Tecnologias Sociais. Essa evolução é ilustrada pelas duas Linhas de Investigação interdisciplinares então lançadas: “Dois séculos de liberalismo, 1820-2020: formas de Estado, movimentos sociais, dispositivos de subjetivação” e “Mobilidades: indivíduos e ideias entre lugares”.

Na presente etapa, o CEIS20 procura evoluir no sentido de se consolidar como uma unidade científica interdisciplinar, vocacionada para a investigação e para a formação pós-graduada, para a divulgação científica e para a transferência de saber, para a consultoria e para a investigação aplicada. Acolhe, em 2019, 115 Investigadores Integrados com vínculo contratual a instituições portuguesas, 50 Investigadores Integrados oriundos de instituições estrangeiras ou com situação laboral precária e, ainda, 119 Investigadores Colaboradores, muitos dos quais discentes de diversos Cursos de 3.º Ciclo assegurados em Portugal.

Com sete Grupos de Investigação e dois Núcleos de Investigação Interdisciplinares, nos quais se desenvolvem mais de duas dezenas de linhas de investigação (algumas das quais de natureza claramente interdisciplinar), o CEIS20 parte para a sua terceira década de existência com uma estratégia perfeitamente assumida. Em termos quantitativos, visa continuar a crescer, de modo controlado e coerente; no plano qualitativo, pretende continuar a ser uma unidade de investigação de referência, à escala nacional e internacional, na área das Humanidades, Artes, Ciências Sociais e Tecnologias Sociais.

A reflexão efetuada no seu seio, realizada com a prestimosa ajuda dos avaliadores externos, levou o CEIS20 a constatar que, complementarmente à investigação disciplinar produzida, deveria aprofundar os níveis de internacionalização (com destaque para os outros países europeus, África e América Latina), aumentar a oferta de formação pós-graduada e o número de candidaturas a modalidades de financiamento concorrencial da investigação, ampliar a investigação interdisciplinar e a prestação de serviços de investigação aplicada. Estes vetores de crescimento são, ainda, viabilizados através da contratação de Investigadores Auxiliares com o apoio da FCT ou com financiamento próprio.

Dispõe o CEIS20 de três revistas científicas, dos Cadernos do CEIS20 e de mais de uma dezena de Coleções de monografias e de obras coletivas. Organiza e coorganiza anualmente largas dezenas de eventos nacionais e internacionais. No quadro da formação pós-graduada, assegura o Curso de 3º Ciclo em Estudos Contemporâneos e cursos não conferentes de grau (alguns dos quais em resposta a necessidades sociais). De forma a viabilizar a ampliação do número de candidaturas a modalidades de financiamento concorrencial, foi recentemente criado o “Gabinete de Projetos”. Reforçou-se, igualmente, a participação em redes e a negociação de parcerias.

Partindo de um percurso que orgulha todo o CEIS20, pretende-se também que o futuro próximo venha a ser construído com base numa estratégia debatida por todos os Investigadores e negociada com a “sociedade civil”.

António Rochette Cordeiro

(Coordenador Científico)