Sustentabilidade

250 árvores no Jardim Botânico para assinalar os 250 anos da Imprensa da UC

A iniciativa "Árvores que dão frutos” insere-se no compromisso da Imprensa da Universidade de Coimbra para a neutralidade carbónica.

31 março, 2022≈ 3 mins de leitura

Repor o número de árvores correspondente ao papel usado nas impressões das obras que edita. É o compromisso da Imprensa da Universidade de Coimbra (IUC), no ano em que comemora 250 anos da fundação, para contribuir para a neutralidade carbónica. O objetivo é compensar o impacto ambiental resultante da produção de livros impressos.

O primeiro passo aconteceu no Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (JBUC), com a plantação de árvores de fruto em replantação do pomar, e árvores autóctones na mata, como contribuição para o núcleo de espécies integrantes da biosfera nacional. A iniciativa "Árvores que dão frutos” surge no âmbito de uma ação conjunta das duas entidades, e contou com a participação da comunidade estudantil.

A iniciativa, que nesta primeira fase viu a plantação de 100 árvores no JBUC, vai, simultaneamente, "enriquecendo o fundo arbóreo do Botânico e reduzindo a pegada da Imprensa" conta o Vice-Reitor da Universidade de Coimbra para a Cultura e Ciência Aberta, Delfim Leão. "É uma medida para continuar, no Botânico primeiro, mas também noutros locais da Universidade" no futuro.

Para o JBUC, a iniciativa é uma mais-valia para "renovar a coleção de plantas vivas" das plantas autóctones e do pomar, "que precisava também de aumentar a diversidade de espécies", defende a diretora, Teresa Girão. Ao "contribuir de forma significativa para o objetivo da IUC", a plantação vai "contribuir também para a pegada positiva do Jardim".

"A IUC produz livros e os livros são um fruto das árvores. Nesse sentido, esta é uma iniciativa simbólica mas de grande impacto", explica o diretor da IUC, Alexandre Dias Pereira.

Esta já não é a primeira medida que a IUC adota para contribuir para a diminuição da pegada ambiental. Desde o ajuste das tiragens das publicações às efetivas solicitações do mercado à adoção de políticas de acesso aberto - sendo a primeira editora universitária portuguesa a fazê-lo em pleno - a IUC tem feito um esforço para contribuir para a neutralidade carbónica.

A iniciativa contou com a participação das equipas da Imprensa, do Jardim Botânico e com estudantes voluntários do Núcleo de Esudantes de Economia da Associação Académica de Coimbra.