Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Sebastião José Formosinho Sanches Simões

Sebastião J. Formosinho nasceu em Oeiras (1943). Professor catedrático de química da Universidade de Coimbra onde se licenciou em Ciências Físico-Químicas. Doutorado pela Universidade de Londres (1971), foi Presidente do Conselho Científico da FCTUC, Secretário de Estado do Ensino Superior em 1980 e 1981 e Presidente do Centro Regional das Beiras da UCP. Foi Presidente da Sociedade Portuguesa de Química e é Sócio Efectivo da Academia das Ciências de Lisboa. Os seus interesses de investigação situam-se no âmbito da fotoquímica, reactividade química cinética e produção de energia solar, marcas culturais na ciência, e desenvolveu interesses em temas como as controvérsias científicas e sobre as relações entre ciência e religião. Foi galardoado com os seguintes prémios: INVENTA 2011 para as patentes de que é co-inventor, Estímulo à Excelência, Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2004; Prémio Aboim Sande Lemos da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, 1998; Prémio da Ciência da Fundação Gulbenkian, 1994; Medalha Ferreira da Silva, Sociedade Portuguesa de Química, 1984; Artur Malheiros, Academia das Ciências de Lisboa, 1972. Publicou em 2007 nos domínios da sua especialidade «Chemical Kinetics. From Molecular Structure to Chemical Reactivity» (Elsevier, em co-autoria) e «Nos Bastidores da Ciência. Vinte Anos Depois» (Imprensa da Universidade de Coimbra) , em 2008, em colaboração com o Padre Oliveira Branco «O Deus que não temos. Uma história de grandes intuições e mal-entendidos» (Bizâncio) e em 2009 «Uma intuição por Portugal» (Artez).

Obras editadas na IUC:

Fernando Pinto Coelho o Mestre e o Professor Universitário

Cinética Química 

Nos Bastidores da Ciência 20 anos Depois

A Dinâmica da Espiral

Nos palcos da ciência: uma apreciação estética da heterodoxia científica

A esperança, utopia impossível?
Da insatisfação como via do (que podemos) conhecer, e esperar, e devir