a carregar...

UC.PT

Imprensa da Universidade

História da Diocese de Viseu, Vol. I, II e III

Historiadadiocesedeviseu

Coordenador: José Pedro Paiva 
Língua: Português
ISBN: 978-989-98269-1-5
Editora: Diocese de Viseu e Imprensa da Universidade de Coimbra 
Edição: 1.ª 
Data: 2016
Dimensões: 170 mm x 240 mm
N.º Páginas: 600


Sinopse:

Esta é a primeira História da Diocese de Viseu, desde que nos, nos alvores do século XVII, se esboçaram as primeiras tentativas de registar a memória de alguns episódios relevantes da presença do cristianismo e das suas estruturas eclesiásticas no território viseense. Região onde durante longos séculos para as suas populações o cristianismo foi um oásis de beleza e esperança. A obra encontra-se estruturada em três volumes que cobrem os cerca de 1500 anos, que decorrem entre a mais remota e documentalmente comprovada origem da diocese, no ano de 569, até ao 25 de Abril de 1974. Norteada exclusivamente por critérios históricos, propõe uma visão original e absolutamente inédita no panorama da historiografia portuguesa e internacional a respeito dos olhares e perspectivas que devem pautar um estudo desta natureza.
O cristianismo inundou os dias dos crentes e moldou de modo muito impressivo as suas vidas. As marcas do sagrado cristão no território e nos corações dos homens e mulheres que o foram habitando cavaram vincos profundíssimos. É este o campo de indagação que se visa atingir. Aqui se conta, pela mão de historiadores, como se foi construindo esta Eclesia, reconstituindo e explicando como se formou e desenvolveu, os recursos materiais e humanos de que beneficiou e mobilizou para o efeito, a forma como configurou o espaço físico e o universo imaterial das consciências individuais e colectivas. O leitor poderá ainda apreciar as motivações e estratégias dos agentes eclesiásticos que conceberam e governaram a diocese em relação com os outros poderes com os quais coexistiram. Através de cerca de 1800 páginas e perto de 300 ilustrações será ainda possível entender como é que o cristianismo foi vivido tanto por clérigos quanto pelos fiéis, buscando-lhe a configuração da crença, a(s) linguagem(ens) com que era comunicado e interiorizado, o modo como era sentido, mas também a coerência de significado que o tornou operativo enquanto religião e experiência de vida em sociedade.

José Pedro Paiva
Coordenador Científico