Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

Jornalistas em residência na UC: Max Stahl


Max Stahl

Fotografia: © UC | François Fernandes

Christopher Wenner, mais conhecido como Max Stahl, nasceu a 6 de dezembro de 1954 no Reino Unido. É jornalista e repórter de guerra.

Em 1991 vai para Timor onde vive e documenta um dos momentos mais dramáticos do país: o massacre no cemitério de Santa Cruz, em Díli. As imagens do massacre correram o mundo e mudaram para sempre a história do país.

Em 1999 regressa a Timor, e é nessa altura que adota o nome de Max Stahl, por razões de segurança. No ano seguinte, recebe o Rory Peck Award, um prémio atribuído a operadores de câmara freelancer que colocam a vida em risco em reportagem. Este foi apenas um dos muitos prémios que lhe foram concedidos devido ao seu trabalho em zonas de conflito (Balcãs, El Salvador, entre outros).

Max Stahl criou, em Timor, o Centro Audiovisual Max Stahl em Timor-Leste (CAMSTL) onde guarda os seus arquivos com as imagens que tem vindo a captar ao longo dos últimos 25 anos. Esse arquivo, num total de 5 mil horas de vídeo, foi considerado pela UNESCO como Registo da Memória do Mundo e está agora a ser objeto de um trabalho de preservação e divulgação, para fins de ensino e investigação acerca da história de Timor, no âmbito do protocolo de cooperação estabelecido entre a Universidade de Coimbra, a Universidade Nacional de Timor Leste e o CAMSTL.

Em dezembro de 2016, Max Stahl apresentou o seu documentário inédito “A Língua, A Luta, A Nação” elaborado com o apoio da UC e mostrado ao público pela primeira vez no Teatro Académico de Gil Vicente durante o evento “Timor: imagens e palavras que mudaram o mundo”.

O evento “Timor: imagens e palavras que mudaram o mundo” foi uma iniciativa da Universidade de Coimbra que evocou os 25 anos do massacre de Santa Cruz, dado a conhecer ao mundo pelas filmagens de Max Stahl, e os 20 anos do Nobel da Paz atribuído a Ximenes Belo e José Ramos-Horta. A iniciativa serviu ainda como uma homenagem a Max Stahl, Ximenes Belo e José Ramos-Horta.

Max Stahl desloca-se a Coimbra regularmente, a convite da UC, para acompanhar os trabalhos de preservação e divulgação do CAMSTL.