Bolsas de doutoramento FCT-PRISC-UFRJ

26 janeiro, 2024≈ 6 mins de leitura

Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Ao abrigo do protocolo de parceria entre a infraestrutura PRISC - Portuguese Research Infrastructure of Scientific Collections – que reúne a Universidade de Lisboa (UL), a Universidade de Coimbra (UC) e a Universidade do Porto (UP), através dos seus museus e jardins botânicos –, a FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, Portugal está a apoiar uma parceria académica através da atribuição de 50 bolsas de doutoramento, entre 2023 e 2027.

Além do fortalecimento dos laços académicos entre os dois países, os estudantes beneficiarão da experiência da parceria em estudos entre grandes museus. As atividades de investigação serão realizadas numa das universidades da infraestrutura PRISC e no Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (MN/UFRJ).

Ao longo dos cinco anos, serão oferecidas bolsas nas áreas da Biodiversidade, Paleodiversidade e Geodiversidade, Estudos de Coleções Científicas, Antropologia, Conservação e Restauro, História da Ciência, Museologia e Comunicação de Ciência.

As Bolsas de Investigação para Doutoramento destinam-se a candidatos inscritos ou a candidatos que satisfaçam as condições necessárias para se inscreverem em ciclo de estudos conducente à obtenção do grau académico de doutor numa Universidade da infraestrutura PRISC (UL, UC ou UP).

As Bolsas de Investigação para doutoramento destinam-se a cidadãos que, à data do início da bolsa, tenham residência em Portugal de forma permanente e habitual, requisito aplicável tanto a cidadãos nacionais como a cidadãos estrangeiros. Este requisito é essencial para a assinatura do contrato de bolsa.

Os candidatos devem apresentar obrigatoriamente, no momento da submissão da candidatura, um/a orientador/a da Universidade da infraestrutura PRISC e um/a orientador/a da UFRJ.

EDIÇÃO 2024: (abertura em data a confirmar).

Nesta edição serão atribuídas 10 bolsas nas seguintes áreas:

  • Museologia, nomeadamente nos domínios de cruzamento da arte e ciência, em particular o desenvolvimento de formas inovadoras de exposição, educação e comunicação de ciência.
  • Conservação e Restauro, nomeadamente desenvolvimento de protocolos, metodologias e estudos de caso inovadores na área da conservação e restauro aplicada às coleções científicas, incluindo taxidermia e questões éticas;
  • Estudos de Coleções sob múltiplas perspetivas (perspetivas históricas, taxonómicas, antropológicas, arqueológicas, sociológicas, de divulgação, etc.),
  • Geodiversidade, paleodiversidade e biodiversidade, nomeadamente no que se refere à história da Terra e a sua biodiversidade do passado e presente, com foco na valorização das coleções e dados científicos associados;
  • História da Ciência, nomeadamente o papel dos museus, coleções e artefactos no desenvolvimento da história natural e da ciência, com foco (mas não exclusivamente) na América Central e do Sul.

Conheça melhor os estudos de pós-graduação no Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro

PONTOS DE CONTACTO:

Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC), Universidade de Lisboa: Judite Alves, mjalves@museus.ulisboa.pt

Museu de História Natural e da Ciência (MHNC), Universidade do Porto: Maria João Fonseca, mjfonseca@mhnc.up.pt

Museu da Ciência (MCUC), Universidade de Coimbra: Paulo Trincão paulo.trincao@uc.pt

Jardim Botânico (JBUC), Universidade de Coimbra: Teresa Girão jardim.botanico@uc.pt

Museu Nacional (MN), Universidade Federal do Rio de Janeiro: Andrea Costa, vicedirecao@mn.ufrj.br

Edição de 2023

A infraestrutura PRISC reúne as principais coleções científicas das Universidades de Lisboa, Porto e Coimbra, através do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC-ULISBOA), do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP), do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra (MCUC) e do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (JBUC). Tem como objetivos preservar e valorizar todas as coleções científicas portuguesas como recursos insubstituíveis de investigação, educação e cultura.