Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

INVESTIGADORA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DISTINGUIDA NOS PRÉMIOS VERDES

Seena Sahadevan realiza diversos trabalhos pioneiros para a conservação dos ambientes de água doce, um dos ecossistemas mais importantes para a manutenção da vida e também um dos mais ameaçados por pressões antropogénicas.
7 junho

Seena Sahadevan, investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), foi distinguida nos Prémios Verdes, na categoria Prémio Investigação, destinada a cientistas que se destacam na área da sustentabilidade e ambiente.

Com o Alto Patrocínio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a iniciativa é promovida pela revista VISÃO em parceria com o Grupo Águas de Portugal e visa «reconhecer, divulgar e premiar as boas práticas e os exemplos de excelência que se destacam pelo contributo para o ambiente e desenvolvimento sustentável no quadro da atual emergência climática».

Seena Sahadevan realiza diversos trabalhos pioneiros para a conservação dos ambientes de água doce, um dos ecossistemas mais importantes para a manutenção da vida e também um dos mais ameaçados por pressões antropogénicas. Atualmente, a investigadora da FCTUC está empenhada «em compreender e analisar os impactos causados pelos plásticos, especialmente nanoplásticos (NP), no funcionamento dos ecossistemas de água doce. Em pequenos rios (ribeiros), a decomposição de folhada é um processo crucial, responsável pela transferência de energia através dos níveis tróficos da cadeia alimentar. Os hifomicetes aquáticos (fungos aquáticos) são os principais mediadores desse processo, melhorando a qualidade nutricional das folhas para o consumo de invertebrados e níveis tróficos subsequentes».

A investigadora foi distinguida pela «excelência na identificação dos impactos causados por NP, tanto em hifomicetes aquáticos como em invertebrados, ainda que em concentrações muito pequenas (até 25 microgramas por litro)». A investigação realizada por Seena Sahadevan mostrou que os nanoplásticos «tiveram impacto na capacidade de decomposição, reprodução e abundância dos fungos; além de terem causado uma visível letargia nos invertebrados alimentados com folhas expostas aos NP, confirmando sua toxicidade».