Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

As «Belas Infiéis»: Antologia de Textos sobre Tradução na Época Clássica em França

  
Capa - As Belas Infiéis 

Autor: Vários 
Introdução, seleção e notas: João Domingues
Editor: Pedago/ Centro de Literatura Portuguesa
Data: 2012
Nº de páginas: 128
ISBN: 978-9898449160
Preço: €12,59 - Comprar

Sinopse

As Belas Infiéis – Antologia de textos sobre a tradução na época clássica em França apresenta um vasto conjunto de excertos de textos franceses sobre tradução dos séculos XVII e XVIII, criteriosamente escolhidos, e precedidos por um ensaio do tradutor e organizador da antologia que enquadra na História da Tradução ocidental o pensamento sobre a tradução apresentado. Trata-se de um livro pedagogicamente organizado em torno da figura de Ablancourt e da noção de belle infidèle, que será certamente muito útil para investigadores e estudantes de língua portuguesa. A apresentação de textos que até agora, em muitos casos, não se encontravam disponíveis em português, dá a ver de maneira fundamentada a complexidade de um período histórico essencial na história do pensamento europeu sobre a linguagem e a tradução.

  
 
Índice

A Tradução em França na época clássica

I. Sobre a “Belle Infidèle”
Nicolas Perrot d’Ablancourt (1654)
I.1. Em defesa da tradução de d’Ablancourt
Antoine Godeau (1660)
D’Ablancourt (1637); (1654); (1658); (1689)
Anónimo (1701)
I.2. Contra d’Ablancourt
Adrien Baillet (1685)
Anónimo (1731)

II. Defensores da “Belles Infidèles”
Jean Chapelain (1619); (1620)
Antoine Godeau (1630); (1635)
François de Grenaille (1650)
Samuel Sorbière (1651)
François de la Mothe le Vayer (1654)
De Brébeuf (1654)
Dominique Bouhours (1671)
Bordelon (1698)
Sabatier de Castres (1775)

III. Em defesa da tradução “mais exata possível”
Claude-Gaspar Bachet de Méziriac (1635)
Antoine le Maître (1647)
Pierre Daniel Huet (1661); (1683)
Claude Perrault (1673)
Morvan de Bellegarde (1695)
Régnier Desmarais (1700)
Gabriel-François le Jay (1722)
François Bellenger (1723)
Vigneul-Marville (Noël-B. Argonne) (1725)
Massieu (1745)
Jacques Tourreil (1745)
Charles Batteux (1764)

IV. Ideias singulares sobre a tradução
Du Boscq (1632)
Gaspar de Tende (1660)
Pierre Coustel (de Port-Royal)
Madame Dacier (1761)
Anónimo (1765)
Nicolas Beauzée (1765)
Anónimo (1776)
Jean-François Marmontel (1777)
D’Alembert (1784)
François-Philippe Gourdin (1789)

Bibliografia