Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar aceita a política de cookies.
OK, ACEITO

26 e 27 de Junho

Pequena História Trágico-Marítima
No âmbito da XIV Semana Cultural da UC

Num pequeno rochedo, com a água a bater-lhes no corpo, dois marítimos tentam salvar-se. Enquanto o mais novo recolhe destroços que o mar lhes devolve, para improvisar uma embarcação, o mais velho recapitula histórias de milagres e relatos de aventuras, para se manterem acordados. A embarcação será a última em que viajam. Pequena História Trágico -Marítima é a primeira produção original do TAGV em muitos anos, retomando o papel fundamental da UC na criação artística contemporânea. Tenta-se assim cumprir os objetivos da nova Direção neste novo fôlego do TAGV.

Pequena História Trágico-Marítima é ao mesmo tempo um espetáculo profissional e um projeto de pesquisa de linguagem artística. O espetáculo inaugura no TAGV e no curso de Estudos Artísticos um método de trabalho, em torno da ideia de esboço contínuo, que alia a pesquisa académica à criação artística. O projeto é desenvolvido por Filipa Malva e Jorge Louraço Figueira, do doutoramento em Estudos Teatrais e Performativos.

Realizado por uma equipa com experiência na criação de espetáculos tanto para a infância como para adultos, esta produção é destinada a maiores de seis anos. O espetáculo faz uma revisão dos procedimentos já conhecidos do teatro para a infância, ao mesmo tempo que tenta inovar nalguns aspetos.

Filipa Malva formou-se em cenografia pela University of Kent, trabalhou para o Teatro Nacional de São Carlos e a Royal Opera House, Londres. Tem colaborado com a Avalon Theatre Company, os Lisbon Players, O Teatrão e O Bando. É docente de Estudos Artísticos na Universidade de Coimbra

Jorge Louraço Figueira trabalhou com os Third Angel, com Antonio Mercado e com José Sanchis Sinisterra, entre outros. É autor de Xmas qd Kiseres e Êxodos, crítico do jornal Público e docente da ESMAE.

TEMA

Criado a partir de relatos e testemunhos de várias pessoas, de fragmentos biográficos e históricos, de memórias pessoais e da memória coletiva, este espetáculo será uma alegoria das relações culturais entre os povos de Portugal e do Brasil. Os dois países veem-se um ao outro através de um espelho gasto, numas partes fosco, noutras raspado e transparente. São retratos distorcidos, os que temos uns dos outros, brasileiros e portugueses, que mal os deixa entrever umas coisas e outras vê bem demais. Com uma narrativa situada em localidades que ao longo da história têm pontos de contacto fugazes, mas determinantes, esperamos contribuir para o conhecimento mútuo das duas culturas.

PROCESSO

Este laboratório teatral é feito no âmbito da tese de doutoramento Play Set: Scenography in Portuguese Children’s Theatre, que pretende investigar o processo criativo do cenógrafo envolvido com a produção de espetáculos para um público infantil. Propõe-se desenvolver uma metodologia de investigação que responda ao conceito de Practice-as-Research (tal como descrito por Robin Nelson), e que estabeleça relações tipo entre o meio académico da Universidade de Coimbra e o meio profissional promovido pelo Teatro Académico Gil Vicente. 

Durante o trabalho de criação do espetáculo foram desenvolvidas oficinas de cenografia, música, dramaturgia e interpretação e realizados vários ensaios abertos, partilhando o processo com os alunos dos diversos cursos de Estudos Artísticos da FLUC.

Ficha Técnica

Dramaturgia e encenação Jorge Louraço Figueira (ESMAE e Universidade de Coimbra) 

Cenografia e figurinos Filipa Malva (Universidade de Coimbra) 

Música Patrícia Almeida (Universidade de Aveiro) 

Interpretação Ricardo Correia, Carlos Marques e Emanuel Taborda

Produção Reitoria da Universidade de Coimbra e TAGV